segunda-feira, 29 de junho de 2020

EMERGÊNCIA CLIMÁTICA:REGISTROS INDICAM NOVO RECORDE DE TEMPERATURA DE 38 GRAUS AO NORTE DO CÍRCULO POLAR ÁRTICO.

Emergência Climática: Registros indicam novo recorde de temperatura de 38°C ao norte do Círculo Polar Ártico


A Organização Meteorológica Mundial está tentando confirmar um novo recorde de temperatura ao norte do Círculo Polar Ártico, de 38 ° Celsius. Isso ocorreu em 20 de junho na cidade russa de Verkhoyansk, em meio a uma prolongada onda de calor na Sibéria e a um aumento na atividade de incêndios florestais.
Verkhoyansk, localizado na parte norte da República de Sakha (Yakutia), fica em uma região da Sibéria Oriental que possui um clima continental seco extremamente severo (inverno muito frio e verão quente).
A estação meteorológica de Verkhoyansk teve um recorde anterior de temperatura do ar de 37,3 ° C, observado em 25 de julho de 1988, de acordo com os cientistas alemães Alekseenkov e Vasily Smolyanitsky no Instituto de Pesquisa do Ártico e Antártico do Serviço Federal Russo de Serviço Federal de Monitoramento Hidrometeorológico e Ambiental (Roshydromet ). A estação fornece medições diárias desde 1885.
As informações finais sobre se esse registro é máximo para toda a área do Ártico ao norte do Círculo Polar precisam ser avaliadas quando dados meteorológicos mais completos estiverem disponíveis.
Depois que a WMO receber a confirmação da temperatura da Roshydromet, ela encaminhará a descoberta para verificação por uma equipe de investigadores do seu Arquivo de extremos de clima e clima . Isso fornece detalhes de extremos globais, hemisféricos e continentais (calor, precipitação, etc.).
Nova temperatura registrada relatada
Até agora, a WMO não havia verificado possíveis registros de “temperatura mais alta registrada ao norte do Círculo Polar Ártico”. No entanto, o interesse nessa observação extrema despertou interesse suficiente para que atualmente estamos estudando a criação de uma categoria tão nova para o Arquivo oficial, de acordo com Randall Cerveny, Relator Especial da OMM para Extremos Meteorológicos e Climáticos.
“Uma equipe de avaliação de resposta rápida da OMM aceitou provisoriamente essa observação como uma observação legítima, o que é consistente com as observações atuais do ar na época na Sibéria”, disse o professor Cerveny. “Isso agora estará sujeito a um processo normal para uma revisão formal detalhada por um painel de cientistas atmosféricos da OMM”.
“Tem sido uma primavera incomumente quente na Sibéria, e a coincidência falta de neve subjacente na região, combinada com o aumento geral da temperatura global, sem dúvida ajudou a desempenhar um papel crítico ao causar essa observação extrema da temperatura”, disse o professor Cerveny, professor de geografia do presidente. Ciências, Universidade Estadual do Arizona.
Como parte do processo de verificação, a OMM está entrando em contato com a agência meteorológica russa para coletar informações diretas sobre a observação (como dados reais, tipo de equipamento usado, verificações de qualidade e calibração do instrumento, técnicas de monitoramento de observação, correspondência com estações vizinhas, etc. 
“Esses dados serão examinados com muito cuidado por um painel internacional de cientistas atmosféricos. Fundamentalmente, essas avaliações são projetos muito completos e demorados. Mas o resultado final será uma informação incrivelmente valiosa que ajudará os cientistas do clima a entender melhor o clima, engenheiros e médicos a se prepararem melhor para os extremos climáticos e até o público em geral, a fim de obter uma melhor apreciação das mudanças climáticas em todo o planeta ”, disse o professor Cerveny.
O Ártico está entre as regiões de aquecimento mais rápido do mundo e está aquecendo duas vezes a média global. As temperaturas anuais do ar na superfície nos últimos 4 anos (2016–2019) no Ártico (60 ° a 85 ° N) foram as mais altas já registradas. O volume de gelo marinho do Ártico no mês de setembro de 2019 (após a estação de derretimento) diminuiu mais de 50% em comparação com o valor médio de 1979–2019. 
A Sibéria testemunhou um calor excepcional, com temperaturas de até 10 ° C (18,5 ° F) acima da média em maio e impulsionando o mês mais quente já registrado para todo o hemisfério norte e, de fato, o mundo.
Mas não foi apenas maio que foi incomumente moderado nesta região; todo o inverno e a primavera tiveram períodos repetidos de temperaturas da superfície do ar acima da média, principalmente a partir de janeiro.
O calor incomum no inverno e na primavera foi associado a uma quebra excepcionalmente precoce do gelo nos rios da Sibéria.
Nova temperatura registrada relatada
O Serviço Copernicus de Mudanças Climáticas da Europa realizou uma exploração mais aprofundada de seus dados.
“Embora o planeta como um todo esteja esquentando, isso não está acontecendo igualmente. Por exemplo, o oeste da Sibéria se destaca como uma região que aquece mais rápido que a média e onde as variações de temperatura de mês para mês e ano para ano tendem a ser grandes. Isso significa que, em certa medida, grandes anomalias de temperatura não são inesperadas. No entanto, o que é incomum neste caso é quanto tempo as anomalias mais quentes que a média persistiram ”, disse Copernicus.
O Serviço de Monitoramento Atmosférico da Copernicus disse que o número e a intensidade de incêndios florestais no nordeste da Sibéria e no círculo ártico continuam aumentando nos últimos dias. A intensidade total diária está em níveis semelhantes aos observados em 2019.
 Prevê-se que as temperaturas acima do normal continuem na maior parte do Ártico entre junho e agosto de 2020, de acordo com o  Arctic Climate Forum , que fornece informações aos tomadores de decisão sobre uma região em rápida mudança, que está aquecendo mais do que o dobro da média global.
Na discussão sobre os impactos regionais na Sibéria Ocidental e Oriental , o Fórum alertou para um possível risco de incêndios florestais no início do verão devido à temperatura acima do normal e abaixo da precipitação normal. As altas temperaturas previstas podem levar à degradação contínua do permafrost e à erosão costeira. A redução na extensão do gelo marinho e a degradação do permafrost na tundra podem criar dificuldades para espécies “chave”, por exemplo, ursos polares, caribu, baleias, etc. liberação de metano, um poderoso gás de efeito estufa.
Fonte: WMO – World Meteorological Organization
in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/06/2020

VIDA DAS ABELHAS É ENCURTADA APÓS A DOIS PESTICIDAS.

Vida das abelhas é encurtada após exposição a dois pesticidas amplamente utilizados


morte de abelha
A vida das abelhas é reduzida – com evidência de estresse fisiológico – quando expostas às taxas de aplicação sugeridas de dois pesticidas comercialmente disponíveis e amplamente utilizados, de acordo com uma nova pesquisa da Universidade Estadual do Oregon.
Por Chris Branam*, Oregon State University.
Em um estudo publicado na revista PLOS ONE, pesquisadores de abelhas da Faculdade de Ciências Agrícolas da OSU encontraram efeitos prejudiciais em abelhas expostas a Transform e Sivanto, que são registradas para uso nos Estados Unidos e foram desenvolvidas para serem mais compatíveis com a saúde das abelhas.
A abelha é o principal polinizador de frutas, nozes, vegetais e sementes, que dependem da polinização para obter alta qualidade e rendimento.
Juntamente com outros estressores, como os ácaros, vírus e má nutrição, os efeitos desses pesticidas podem tornar as abelhas incapazes de executar suas tarefas sem problemas. Apicultores e alguns grupos ambientais têm levantado preocupações nos últimos anos sobre esses inseticidas e possíveis efeitos negativos sobre as abelhas.
Segundo os pesquisadores, este é o primeiro estudo a investigar os efeitos “sub-letais” do sulfoxaflor, o ingrediente ativo do Transform, e da flupiradifurona, o ingrediente ativo do Sivanto. Efeitos sub-letais significam que as abelhas não morrem imediatamente, mas sofrem estresse fisiológico, resultando em vida útil mais curta.
No caso de Transform, a vida das abelhas foi severamente reduzida. A maioria das abelhas expostas ao Transform morreu dentro de seis horas após a exposição, confirmando a toxicidade severa do pesticida para as abelhas quando expostas diretamente às taxas de aplicação em campo recomendadas no rótulo, disseram os pesquisadores.
O principal autor do estudo, Priyadarshini Chakrabarti Basu, associado de pesquisa de pós-doutorado no Honey Bee Lab da Faculdade de Ciências Agrícolas da OSU, enfatizou que os pesquisadores não estão pedindo que o Sivanto ou o Transform sejam retirados do mercado.
“Sugerimos que mais informações sejam colocadas nos rótulos desses produtos e que mais estudos precisam ser realizados para entender os efeitos subletais da exposição crônica”, disse Basu.
Sivanto e Transform são usados nas lavouras para matar pulgões, funis de folhas e moscas-brancas, entre outras pragas. Muitas dessas mesmas culturas atraem abelhas para a polinização. Existem algumas restrições ao seu uso. Por exemplo, a transformação não pode ser aplicada a culturas em flor, por exemplo.
As abelhas podem ser expostas indiretamente através da deriva de pesticidas, disse o co-autor do estudo Ramesh Sagili , professor associado de apicultura e especialista em extensão de abelhas da Faculdade de Ciências Agrícolas da OSU.
“O tempo médio de vida de uma abelha operária é de cinco a seis semanas na primavera e no verão; portanto, se você estiver reduzindo sua vida útil em cinco a 10 dias, isso será um grande problema”, disse Sagili. “A longevidade reduzida resultante do estresse oxidativo pode afetar negativamente a população de colônias e, finalmente, comprometer a aptidão das colônias.”
Para o estudo, os pesquisadores realizaram dois experimentos de exposição por contato: um estudo de seis horas e um estudo de 10 dias em maio de 2019. As abelhas foram obtidas de seis colônias saudáveis nos apiários da OSU. Em cada experimento, grupos de 150 abelhas foram colocados em três gaiolas. Um grupo foi exposto ao Transform, um segundo ao Sivanto e o terceiro foi um grupo controle que não foi exposto a nenhum desses pesticidas.
A mortalidade das abelhas, xarope de açúcar e consumo de água e respostas fisiológicas foram avaliadas em abelhas expostas ao Sivanto e Transform e comparadas às abelhas do grupo controle. A mortalidade em cada gaiola foi registrada a cada hora para o experimento de seis horas e diariamente para o experimento de 10 dias.
Embora o Sivanto não tenha sido diretamente letal para as abelhas após a exposição ao contato, os resultados de sobrevida em 10 dias revelaram que as taxas de aplicação de campo do Sivanto reduziram a sobrevida do adulto e causaram maior estresse oxidativo e apoptose nos tecidos das abelhas. Isso sugere que, embora o Sivanto seja aparentemente menos tóxico que o Transform, ele também pode reduzir a longevidade das abelhas e transmitir estresse fisiológico, de acordo com os autores do estudo.
Os co-autores do estudo incluíram a estudante Emily Carlson e a assistente de pesquisa da faculdade Hannah Lucas, que realizam pesquisas no Honey Bee Lab; e Andony Melathopoulos, professor assistente e especialista em Extensão em Saúde de Polinizadores.
Referência
Priyadarshini Chakrabarti, Emily A. Carlson, Hannah M. Lucas, Andony P. Melathopoulos, Ramesh R. Sagili. Field rates of Sivanto™ (flupyradifurone) and Transform® (sulfoxaflor) increase oxidative stress and induce apoptosis in honey bees (Apis mellifera L.). PLOS ONE, 2020; 15 (5): e0233033 DOI: 10.1371/journal.pone.0233033

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.
in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/06/2020

TRANSIÇÃO PARA RENOVÁVEIS NO MERCADO DE ENERGIA É PUXADA POR PAÍSES DESENVOLVIDOS.

Transição para renováveis no mercado de energia é puxada por países em desenvolvimento


energias renováveis

Brasil é principal motor de crescimento de renováveis na América Latina

Por Cínthia Leone
Os países em desenvolvimento fizeram a maioria dos investimentos em energias renováveis em 2019, atingindo 54% do total global, superando as economias desenvolvidas pelo quinto ano consecutivo. Embora a capacidade de investimento no setor tenha diminuído na China e na Índia no último ano, nos demais países pobres e de renda média subiu 17%, um valor recorde de 59,5 bilhões de dólares. Nos países ricos, esse aumento foi de 2%. O Brasil foi o principal motor do crescimento das renováveis na América Latina, com expansão de 5,83%.
As informações são do novo Relatório de Status Global de Renováveis da rede REN21, que acompanha a evolução das fontes renováveis ao redor do mundo. O investimento em energia renovável variou por região, aumentando nos Américas, incluindo Estados Unidos e Brasil, mas caindo em todas as outras regiões do mundo, incluindo China, Europa, Índia e Oriente Médio e África.
Considerando todo o financiamento de fontes renováveis – e excluindo hidrelétricas maiores que 50 MW – a China tem a maior participação do mercado (30%), seguida pelos Estados Unidos Estados (20%), Europa (19%) e Ásia-Oceania (16%; excluindo a China e Índia). África e Oriente Médio responderam por 5%, as Américas (excluindo Brasil e Estados Unidos Estados Unidos) representam 4%, Índia 3% e o Brasil 2%.
O resultado dos países em desenvolvimento é atribuído aos leilões de energia, que agora são um fenômeno global. O Brasil foi um dos pioneiros, mas há uma competição em andamento na América Latina e em partes da Ásia. Além disso, muitos dos metais e minerais de terras raras necessários para desenvolver tecnologias renováveis, como as placas solares, ??são extraídos nos próprios países em desenvolvimento.

Mercado brasileiro

O Brasil turbinou o crescimento das renováveis na América Latina, com expansão de 5,83%. Só em energia solar, o país terminou 2019 com 4,5 GW de capacidade instalada, um acréscimo de 2,1 GW só no ano passado. Com isso, a fonte solar fotovoltaica foi a que mais cresceu na matriz elétrica brasileira no ano passado, com avanço de 88%, acompanhada bem atrás pela fonte eólica (7%) e hidrelétrica (5%).
No cenário internacional, o Brasil é o terceiro país do mundo em renováveis, com 144 GW de capacidade instalada acumulada total, a maior parte em função da energia hidrelétrica. Os biocombustíveis são outro destaque, com o país respondendo por 26% da produção mundial de etanol e biodiesel. A liderança mundial em renováveis continua sendo da China, com 789 GW, seguida pelos Estados Unidos, com 282 GW. Completam o top 5 a Índia, com 137 GW, e a Alemanha, com 124 GW.
Os dados brasileiros no REN21 incluem as usinas solares de grande porte e os sistemas distribuídos de pequeno e médio portes, em telhados e fachadas de edifícios — investimentos totais que ultrapassaram R? 24 bilhões ao final de 2019. A geração distribuída foi o segmento com maior expansão no país, somando isoladamente 1,4 GW dos 2,1 GW totais de acréscimo.
No segmento eólico, a Bahia vem ganhando destaque no mercado nacional. Entre janeiro e abril deste ano, o estado gerou 31% da energia eólica produzida no país. O estado possui 170 parques eólicos em operação hoje, com mais de 1,3 mil aerogeradores e capacidade instalada de 4,1 GW. De acordo com o governo baiano, outros 38 parques estão em construção e, junto com 86 novos projetos ainda em fase inicial, promete gerar mais de 53 mil empregos.
Com a atual capacidade, o estado é superavitário em energia eólica. Isso porque a energia gerada nessa modalidade no estado é suficiente para abastecer 8,3 milhões de residências, aproximadamente 25 milhões de habitantes – o dobro da população baiana, que é de 14,8 milhões, segundo o IBGE. A eletricidade obtida nos parques eólicos baianos é distribuída para todo o país pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Enxugando gelo

O conjunto de energias renováveis – solar, eólica, hidrelétrica, biocombustíveis e outros – tiveram um incremento de 200 GW de capacidade instalada no último ano em todo o mundo. A liderança em nível mundial também é da fonte solar fotovoltaica, que representou 57,5% (115 GW) desse montante, seguida da fonte eólica, com 30% (60 GW) de participação, e da fonte hidrelétrica, com 8% (18 GW). Esse aumento foi de 12% em comparação com 2018, segundo o relatório.
Se observada apenas a capacidade instalada de geração de energia solar, o crescimento mundial foi de 22,5% entre 2018 a 2019, alcançando 627 GW de capacidade instalada. Em 2009 havia menos de 23 GW de capacidade instalada em todo o mundo.
Apesar dos avanços significativos na geração de energia renovável, a participação dessas fontes na demanda total de energia final aumentou pouco entre 2013 e 2018, aponta o Relatório REN21, saindo de 9,6% em 2013 para 11% em 2018. O REN21 observa que há muito ainda a avançar nos segmentos de aquecimento, resfriamento e transportes, ainda dominados pelos combustíveis fósseis. A participação das fontes renováveis nesses segmentos é de 26%, 10% e 3%, respectivamente.
“Ano após ano, relatamos sucesso após sucesso no setor de energia renovável. De fato, ela supera todos os outros combustíveis em crescimento e competitividade”, reconhece Rana Adib, diretora executiva da REN21. “Mas nosso relatório envia um aviso claro: a fome de energia continua aumentando. Se não mudarmos todo o sistema energético, estaremos iludindo a nós mesmos.”
Outro aspecto observado pelo relatório é a real “limpeza” dos processos de obtenção de energia renováveis. A mineração para extração de terras raras pode gerar significativo impacto ambiental, assim como as hidrelétricas, que deslocam comunidades e podem inundar áreas extensas de florestas, como no caso de Belo Monte, no Brasil.
Além dos imperativos éticos, o relatório destaca ainda que o crescimento das renováveis ainda está muito aquém do que seria necessário para que sejam atingidas as metas de redução de emissões do Acordo de Paris. Embora o avanço tenha sido impressionante (a energia solar fotovoltaica saltou de 23 GW de capacidade instalada em 2009 para 627 GW, com crescimento de 22% somente em 2019), houve pouca alteração nos setores de aquecimento, refrigeração e transporte, indica o documento.
Os pacotes de recuperação da economia pós-COVID-19 oferecem uma chance de transição para uma economia de baixo carbono, mas de acordo com Adib, muitos desses pacotes incluem medidas que podem “trancar” o mundo ainda mais em um sistema fóssil. “Alguns desse projetos promovem diretamente gás natural, carvão ou petróleo. Outros, apesar de reivindicarem um foco verde, constroem o telhado e esquecem da fundação. Pegue carros elétricos e hidrogênio, por exemplo. Essas tecnologias são verdes apenas se forem alimentadas por fontes renováveis”, alerta Adib.
“É claro que a energia renovável se tornou mainstream e isso é ótimo. Mas esse progresso não deve nos levar a acreditar que as energias renováveis são um sucesso garantido. Governos precisam agir para além dos pacotes de recuperação econômica e criar as regras e os ambiente para mudar para o sistema de energia.”, defende Arthouros Zervos, Presidente da REN21.
in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 24/06/2020

VAMOS TOMAR CAFÉ.

Estudo indica que consumir uma a três xícaras de café por dia pode reduzir o risco de hipertensão


Estudo com 8.780 participantes concluiu que ingestão moderada de café pode reduzir em 20% risco de hipertensão

Pesquisa com 8.780 participantes mostra que consumo moderado de café pode reduzir risco de hipertensão em 20%; estudos recentes mostraram que efeito benéfico do consumo moderado de café é atribuído aos polifenóis, compostos bioativos, que são encontrados em abundância nessa bebida
Por Júlio Bernardes, Jornal da USP
A associação entre o consumo de café e o risco de hipertensão é investigada em pesquisa da Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP. Com base na análise dos hábitos de consumo da bebida, dados sociodemográficos, de estilo de vida, exames de sangue e medição de pressão arterial de um grupo de 8.780 funcionários públicos, o estudo concluiu que a ingestão moderada de café (uma a três xícaras por dia) pode reduzir em 20% o risco de hipertensão. Os resultados do estudo são detalhados em artigo da publicação científica Clinical Nutrition, no último dia 7 de junho.
A pesquisa usou dados do Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (ELSA Brasil), feito com 15.105 funcionários de seis instituições públicas brasileiras de ensino superior e pesquisa. “Através de um questionário padronizado foram obtidos dados sociodemográficos, como idade, sexo, cor da pele, renda familiar per capita, nível educacional”, relata Andreia Miranda, pós-doutoranda da FSP que realizou o presente estudo. “Além disso, também foram obtidos dados de estilo de vida, entre os quais prática de atividade física, hábito de fumar, ingestão de bebida alcoólica, bem como o histórico médico-familiar, uso de medicação, além de medição do peso e altura e avaliação do consumo alimentar por meio de um questionário específico.”
Durante a pesquisa foi realizada a coleta de sangue para análises bioquímicas e também foi aferida a pressão arterial dos participantes por um enfermeiro previamente treinado. “Para o presente estudo, foram excluídos da amostra os indivíduos com diagnóstico de hipertensão no início da pesquisa, aqueles que apresentavam histórico prévio de doença cardiovascular (infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral e cirurgia cardíaca), além dos que não tinham informação sobre o consumo de café”, explica a pesquisadora. “Dessa forma, foram analisados 8.780 participantes, com seguimento médio de quatro anos.”
O consumo de café foi obtido por meio de um questionário de frequência alimentar, sendo agrupado em quatro categorias: quem nunca ou quase nunca tomava café, quem bebia menos de uma xícara por dia, de uma a três xícaras por dia e mais de três xícaras por dia. “Foi definido que o tamanho das doses de café é de 50 mililitros (50 ml), o que corresponde a uma xícara pequena”, relata Andreia. “A presença de hipertensão foi definida com o valor de pressão acima de 140 por 90 milímetros de mercúrio (mmHg), o uso de medicação anti-hipertensiva ou ambos.”

Consumo de café

consumo de café
Consumo de café foi obtido por questionário de frequência alimentar, agrupado em quatro categorias: quem nunca ou quase nunca tomava café, quem bebia menos de uma xícara por dia, de uma a três xícaras por dia e mais de três xícaras por dia – Foto: Marcos Santos/USP Imagens
Para analisar a relação entre o consumo de café e o risco de hipertensão foi utilizado um método estatístico, conhecido como regressão de Poisson, que permitiu calcular o risco relativo e o respectivo intervalo de confiança. “O modelo final foi ajustado de acordo com outras variáveis descritas na literatura que poderiam influenciar no resultado, tais como idade, sexo, cor da pele, nível educacional, renda, tabagismo, consumo de álcool, prática de atividade física, índice de massa corporal (IMC), consumo de frutas e vegetais, ingestão de sódio, potássio e gordura saturada, açúcar de adição, uso de suplementos, e níveis séricos de glicose, colesterol total e triglicerídeos”, aponta a pesquisadora. “Em estudos prévios, já é bem documentado que o tabagismo é um fator de risco, fortemente associado com a ingestão de café e que pode exercer influência no desenvolvimento de doença cardiovascular, em especial na hipertensão. Por esse motivo, na pesquisa foi avaliado o efeito da interação do café com o tabagismo.”
A pesquisa apurou que o consumo médio de café é de 150 ml por dia, o equivalente a três xícaras. “A maioria dos participantes relatou consumir a bebida com cafeína, filtrada/coada e com adição de açúcar, o que corresponde ao hábito tradicional de consumo de café pelos brasileiros. Durante os quatro anos de acompanhamento, um total de 1.285 participantes desenvolveu hipertensão”, destaca Andreia. “Dessa forma, foi possível observar uma associação significativa inversa entre o consumo moderado de café e a incidência de hipertensão. Ou seja, comparativamente às pessoas que nunca ou quase nunca tomavam café, o risco de hipertensão foi aproximadamente 20% menor naqueles que ingeriam de uma a três xícaras por dia”. “Estudos recentes mostram que o efeito benéfico do consumo moderado de café é atribuído aos polifenóis, compostos bioativos que são encontrados em abundância nessa bebida.”
Como foi verificada uma interação significativa entre o hábito de fumar e a ingestão de café, novas análises estatísticas foram realizadas. “Verificou-se então uma diminuição do risco de hipertensão somente em pessoas que nunca fumaram e tomavam de uma a três xícaras por dia”, afirma a pesquisadora.
Entre os fumantes e não fumantes, bem como na maior categoria do consumo de café, ou seja, quem tomava mais de três xícaras por dia, não se verificou associação significativa no risco de desenvolver hipertensão. “Esses achados não permitem afirmar que haja um risco nessa população ou se trata de uma dose prejudicial para a saúde”, diz Andreia. “Em resumo, os resultados mostram o efeito benéfico da ingestão de uma a três xícaras de café por dia e a importância de moderar o consumo dessa bebida para a prevenção da hipertensão.”
A pesquisa teve o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e contou com a colaboração dos professores Alessandra Goulart, Isabela Benseñor e Paulo Lotufo, do Centro de Pesquisa Clínica e Epidemiológica do Hospital Universitário (HU) da USP e da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) e da professora Dirce Marchioni, da FSP. Os resultados da pesquisa são apresentados no artigo Coffee consumption and risk of hypertension: A prospective analysis in the cohort study, publicado no Clinical Nutrition Journal.
Do Jornal da USP, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 26/06/2020

SAÚDE NO TRABALHO EM CASA.

Saúde no trabalho em casa, artigo de Fernanda M. Cercal Eduardo


Home Office
Foto: Pixabay/Twitter
[EcoDebate] Já são 90 dias de trabalho em casa, dias que modificaram as relações de trabalho mais profundamente do que nos últimos 10 anos. Tudo precisou acontecer muito rápido, diríamos que, de um dia para o outro. Aquele modelo tão desejado por muitos, que reduziria a obrigatoriedade de idas e vindas ao escritório, que diminuiria as horas dentro das organizações e proporcionaria o privilégio de trabalhar de casa, dispondo de tempo com a família, melhorando a qualidade de vida e conforto, agora é uma realidade em meio à pandemia e ao distanciamento social.
Essa crise agiu como aceleradora de todo um processo que exigia tempo e planejamento, e em poucos dias ou semanas, foi necessário estabelecer e concretizar o trabalho nesse novo formato. No home office, os resultados do trabalho devem continuar aparecendo e da mesma forma crescendo para que a gestão tenha controle e confiança nas equipes.
Por muitas vezes em local improvisado, na mesa da sala de jantar, no sofá ou em móveis próximos ao cabeamento de internet, trabalhadores de todas as localidades do Brasil precisaram adaptar sua rotina com funções à frente de computadores ou notebooks, a fim de produzir da mesma maneira que em seus antigos postos de trabalho dentro das organizações.
No entanto, não são poucas as vezes em que as horas de permanência neste mobiliário improvisado têm trazido inúmeras consequências às articulações e musculatura envolvidas na atividade laboral tendo relação às posturas adotadas, resultantes desses novos locais e mobiliários utilizados.
A Fisioterapia concentra em uma das suas habilitações profissionais reconhecidas pelo Conselho Federal, técnicas e medidas que conseguem prevenir e amenizar possíveis lesões referentes ao trabalho e ainda, promover benefícios tanto para os trabalhadores como para as organizações, reduzindo desconforto ou queixas musculoesqueléticas e melhorando o rendimento e produtividade desses trabalhadores.
Sempre que o trabalho tenha que ser executado na posição sentada, o posto de trabalho deve ser planejado ou adaptado para essa posição (NR17), nesse sentido, a altura do assento deve ser proporcional à altura da bancada que apoiará o computador ou notebook de forma a acomodar os punhos e mãos sem elevação ou tensionamento em ombros. Posturas que oferecem tensão às regiões corporais limitam a oxigenação das células musculares e favorecem o acúmulo de metabólitos que culminam com a fadiga e propensão a lesões de estruturas, como ligamentos e tendões.
A coluna cervical é uma das regiões mais afetadas, pois é fortemente exigida pela grande mobilidade que possui e por conseguir, mesmo que erroneamente, se adaptar à linha visual para execução de tarefas. Porém, não é a coluna cervical que deve ser a protagonista da adaptação e sim o mobiliário, a tela do computador deve ser erguida na linha dos olhos. Alterações da visão também podem requerer a anteriorização do pescoço e, portanto, é importante verificar se a visão está suficiente e procurar atendimento oftalmológico, se for o caso. Proteger a visão de reflexos é um outro item importante que deve ser cuidado.
Outras considerações para melhorar a postura e os movimentos, levando em consideração as alavancas funcionais e biomecânica do corpo humano, assim prevenindo várias lesões laborais são:
– Ajustar os itens de trabalho ao alcance das mãos, para que não haja rotações, alongamentos e inclinações desnecessárias durante as atividades;
– Utilização de suportes para os pés evitando assim que a angulação do joelho seja inferior a 90 graus;
– Utilização de suportes para o teclado e mouse para auxílio ergonômico;
Para finalizar, é importante lembrar das pausas durante as atividades, pois o tempo de permanência em determinadas posições estáticas sobrecarregam pescoço, ombros, dorso, membros superiores e inferiores. As pausas de 10 minutos para cada 50 minutos de trabalho são essenciais para alongamento e descanso, proporcionando assim a melhora da circulação nos tecidos, o retorno venoso e a flexibilidade necessária para o bom funcionamento do sistema musculoesquelético e do organismo como um todo.
Fernanda M. Cercal Eduardo é fisioterapeuta, mestre em Tecnologia em Saúde e coordenadora do curso de Bacharelado em Fisioterapia do Centro Universitário Internacional Uninter.
in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 26/06/2020

MAIS TRÊS PARCELAS DO AUXÍLIO EMERGENCIAL.

Presidente Jair Bolsonaro confirmou o pagamento de mais parcelas do auxílio emergencial

O anúncio foi feito em sua LIVE semanal na internet

Repórter Nacional

No AR em 26/06/2020 - 08:57
O presidente Jair Bolsonaro confirmou, nessa quinta-feira, que o governo vai pagar mais 3 parcelas do auxílio emergencial, no intervalo de 2meses.
A declaração sobre o complemento do auxílio foi feita durante uma transmissão ao vivo na internet. O ministro da Economia, Paulo Guedes, também participou. Guedes disse que, só em benefícios sociais, o governo federal prevê pagar cerca de 150 bilhões de reais durante a pandemia. E anunciou que na próxima segunda-feira, começa a liberação emergencial do FGTS.
Sobre o desempenho da economia brasileira durante a crise, Paulo Guedes disse estar otimista e avaliou que ainda é cedo para projetar como o país vai encerrar este ano.
Ouça o Repórter Nacional das 7h desta sexta-feira (26):
Mais destaques dessa edição:
- Ex-presidente do FNDE, professor Carlos Alberto Decotelli é o novo ministro da educação
- Ministro Luiz Fux é eleito presidente do Supremo Tribunal Federal
- Coronavírus: Brasil assume primeiro lugar em número de recuperados da covid-19
-  Auxílio emergencial deve ter novas parcelas de 500, 400 e 300 reais
- Senadores vão votar indenização a profissionais de saúde infectados pelo coronavírus

FLORIANÓPOLIS SE TORNOU UMA METRÓPOLE.


Campinas, Florianópolis e Vitória sobem de categoria e país passa a ter 15 metrópoles
Lígia Souto
Três cidades brasileiras, antes classificadas como capitais regionais, ascenderam de nível, alcançando em 2018 o patamar de metrópole. São elas Vitória, no Espírito Santo, Florianópolis, em Santa Catarina, e Campinas, no estado de São Paulo. O município paulista é a primeira metrópole do país que não é capital estadual.
Os resultados são da pesquisa Regic, Regiões de Influência das Cidades, com base em dados de 2018, que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou nesta quinta-feira (25).
O levantamento, feito a cada dez anos pelo IBGE, define a hierarquia dos centros urbanos e delimita as regiões de influência das cidades. O estudo também verifica o deslocamento feito, em média, pelos brasileiros, na busca de bens e serviços.

Entre outras aplicações, a Regic pode servir como base para sinalizar ao governo federal onde implantar unidades administrativas de órgãos públicos e definir os locais mais adequados, por região, para o atendimento de serviços de saúde e educação. O estudo também aponta onde instalar uma filial de empresa.

Na comparação com a pesquisa anterior, feita em 2007, as mudanças não são muito significativas. O gerente de Redes e Fluxos Geográficos do IBGE, Bruno Hidalgo, explica que a organização urbana é uma estrutura relativamente estável, tendendo a alterações pequenas e a longo prazo.

A Regic 2018 identificou 15 metrópoles brasileiras, entre elas, as três cidades consideradas capitais regionais na pesquisa anterior. Bruno Hidalgo destaca a ascensão de Campinas, Florianópolis e Vitória a categoria de metrópole.

O levantamento também revela que 32 cidades de 12 estados subiram ao nível hierárquico de capitais regionais, com destaque para os Estados de Goiás, Mato Grosso e Rondônia.

Outra etapa da pesquisa consiste na aplicação de questionários nos municípios para avaliar os deslocamentos da população local em busca de produtos e serviços oferecidos em outras cidades.

Entre os temas investigados pela pesquisa, o percurso até os aeroportos é o que possui maior distância média linear percorrida, de 174 quilômetros. A busca por serviços de saúde de alta complexidade é o segundo tema com maior média de distância percorrida, chegando a 155 quilômetros.

Alguns desses dados, relativos a 2018, foram antecipados no último mês de abril, para ajudar no enfrentamento a pandemia de covid-19, como ressalta o gerente do IBGE.

Com relação ao deslocamento para cursar a universidade, o resultado da Regic 2018 mostra que o brasileiro precisa percorrer, em média, 92 quilômetros para acessar o ensino superior em outras cidades.