domingo, 27 de setembro de 2009

ATUALIDADE: GOLPE MILITAR EM HONDURAS . 2ºs e 3ºs do Ensino Médio


SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS
ENTRE O GOLPE MILITAR DE 1964 E O DE HONDURAS.



Manuel Zelaya foi eleito presidente de Honduras em 2005 e empossado no cargo no começo de 2006. Seu mandato seguiu como prevê a lei hondurenha até junho deste ano, quando, após ter proposto um referendo inconstitucional sobre uma possível reeleição, ele foi retirado do cargo pelos militares e colocado num voo direto para a Costa Rica.MANUEL ZELAYA

O grupo de civis e militares que o impediu de governar agora enfrenta um problema diplomático e político, com a volta de surpresa de Zelaya ao país. O impasse se arrasta desde segunda-feira, com protestos e mortes.
JOÃO GOULART (JANGO)

Golpe em Honduras é semelhante ao golpe militar de 64 no Brasil ?




O golpe que tirou Manuel Zelaya do poder em Honduras no final de junho é semelhante ao golpe militar de 1964 contra João Goulart no Brasil: ambos são resultado de um conflito social interno que culmina em uma ação militar de caráter ilegal, mas apoiada pelo congresso.





Também Goulart, como Zelaya, cortejou os setores populares, enfrentou dificuldades econômicas, ficou impopular e foi deposto pelos militares, apoiados pelo congresso . A principal diferença, é que o golpe brasileiro ocorreu em um contexto de Guerra Fria, desencadeando ações de maior violência contra os cidadãos.
Nos dois casos, trata-se de um governante com origem na aristocracia rural que, uma vez no poder, são encurralados por uma forte demanda social e resolvem aplicar arriscadas políticas de redistribuição .

A consequência desse processo é uma classe baixa ansiosa por resultados e uma classe média com receios. Dessa forma, quando elementos militares concretizam o golpe, a ação tinha apoio de significativos setores da sociedade, acrescenta o historiador. Nos dois casos o presidente deixou o país: Jango para o Uruguai; Zelaya para a Costa Rica.

Uma semelhança importante é que a ação ilegal dos militares - tirar um presidente do cargo à força é ilegal aqui e em Honduras - acabou referendada por um órgão legítimo, o Congresso . A respeito da argumentação dos golpistas nas duas situações de que se tratava apenas de defesa da legalidade.


A principal diferença entre os dois golpes, está no contexto mundial em que eles acontecem. "No Brasil, a ação repressiva inicial foi mais violenta, com a cassação de diversos opositores e o rápido endurecimento do regime. Isto foi assim porque vivíamos a Guerra Fria (1947-1989) e os Estados Unidos apoiavam regimes de força aliados. Hoje, o contexto é muito diferente e, oficialmente, os Estados Unidos condenaram o golpe."

"No Brasil, havia certeza de apoio dos EUA: reconhecimento do governo, apoio político, apoio financeiro etc. Honduras, ao contrário, não tem esse apoio, o que é uma diferença fundamental".

Essa comparação não é apenas hipotética, mas tem efeitos reais. "Isso é fundamental para entender a reação do governo brasileiro diante do golpe hondurenho. A crítica feita desde o primeiro momento vem de um governo formado por políticos como Lula, que sempre condenaram o golpe no Brasil, isso está na memória deste governo".

Notícias » Mundo » Mundo


Micheletti dá 10 dias ao Brasil para definir status de Zelaya

O Governo de fato de Roberto Micheletti deu um prazo de 10 dias ao Brasil para que defina o status do presidente hondurenho deposto, Manuel Zelaya, e anunciou que não receberá os embaixadores da Espanha, Argentina, México e Venezuela.
"Novamente solicitamos ao Governo do Brasil que defina o status do senhor Zelaya, dentro de um prazo não maior de dez dias. Se não for assim nos veremos obrigados a tomar medidas adicionais", disse nessa sábado à noite o Ministério de Exteriores do Governo de fato em comunicado lido por rádio e televisão para todo o país.
A mensagem pediu ao Brasil que "imediatamente tome medidas para assegurar que o senhor Zelaya deixe de utilizar a proteção que lhe oferece a missão diplomática do País para instigar a violência em Honduras". No entanto, não foram especificadas em que consistirão as "medidas adicionais".
Manuel Zelaya está na Embaixada do Brasil como hóspede oficial desde segunda-feira passada, quando retornou a Honduras, quase três meses após ser expulso do país e do poder pelos militares.

Fonte: g1.glnoticias.uol.com.br/ultnot/.../ult1859u1322.jhtm - Em cache - Similaresobo.com/Noticias/0,,LTM0-5597-20326,00.html - Em cache - Similares

Prá não dizer que não falei de flores (Geraldo Vandré)

Caminhando e cantando e seguindo a canção,
Somos todos iguais braços dados ou não,
Nas escolas, nas ruas, campos, construções,
Caminhando e cantado e seguindo a canção,

Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer,

Pelos campos a fome em grandes plantações,
Pelas ruas marchando indecisos cordões,
Ainda fazem da flor seu mais forte refrão,
E acreditam nas flores vencendo o canhão,

Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer,

Há soldados armados, amados ou não,
Quase todos perdidos de armas na mão,
Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição:
De morrer pela pátria e viver sem razão,

Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer,

Nas escolas, nas ruas, campos, construções,
Somos todos soldados, armados ou não,
Caminhando e cantando e seguindo a canção,
Somos todos iguais, braços dados ou não,
Os amores na mente, as flores no chão,
A certeza na frente, a história na mão,
Caminhando e cantando e seguindo a canção,
Aprendendo e ensinando uma nova lição,

Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.

QUAL DEVE SER A POSIÇÃO DO BRASIL, EM RELAÇÃO AO GOLPE MILITAR EM HONDURAS ?

GOLPE MILITAR EM HONDURAS.

SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS ENTRE O GOLPE DE 1964 E O ATUAL EM HONDURAS ?

GOLPE MILITAR NO BRASIL EM 1968

O GOLPE MILITAR DE HONDURAS É SEMELHANTE AO DO BRASIL ?

Manuel Zelaya foi eleito presidente de Honduras em 2005 e empossado no cargo no começo de 2006. Seu mandato seguiu como prevê a lei hondurenha até junho deste ano, quando, após ter proposto um referendo inconstitucional sobre uma possível reeleição, ele foi retirado do cargo pelos militares e colocado num voo direto para a Costa Rica.

O grupo de civis e militares que o impediu de governar agora enfrenta um problema diplomático e político, com a volta de surpresa de Zelaya ao país. O impasse se arrasta desde segunda-feira, com protestos e mortes.



O golpe que tirou Manuel Zelaya do poder em Honduras no final de junho é semelhante ao golpe militar de 1964 contra João Goulart no Brasil: ambos são resultado de um conflito social interno

que culmin

a em uma ação militar de caráter ilegal, mas apoiada


pelo congresso.

Também Goulart, como Z

elaya, cortejou os setores populares, enfrentou

dificuldades econômicas, ficou impopular e foi deposto pelos militares, apoiados pelo congresso . A

principal diferença, é que o golpe brasileiro ocorreu em um contexto de Guerra Fria, desencadeando ações de maior violência contra os cidadãos.

Nos dois casos, trata-se de um governante com origem na aristocracia rural que, uma vez no poder, são encurralados por uma forte demanda social e resolvem aplicar arriscadas políticas de redistri

bução.

A consequência desse processo é uma classe baixa ansiosa por resultados e uma classe média com receios. De

ssa forma, quando elementos militares concretizam o golpe, a ação tinha apoio de significativos setores

da sociedade, acrescenta o historiador. Nos dois casos o presidente deixou

o país: Jango

para o Uruguai; Zelaya para a Costa Rica.


Uma semelhança importante é que a ação

ilegal dos militares - tirar um presidente do cargo à força é ilegal

aqui e em Honduras - acabou referendada por um órgão legítimo, o Congresso

. A respeito da argumentação dos golpistas nas duas situações de que se tratava apenas de defesa da legalid

ade.


A PRINCIPAL DIFERENÇA



entre os dois golpes, está no contexto mundial em que eles acontecem. "No Brasil, a ação repressiva inicial foi mais violenta, com a cassação de diversos opositores e o rápido endurecimento do regime. Isto foi assim porque vivíamos a Guerra Fria (1947-1989) e os Estados Unidos apoiavam regimes de força aliados. Hoje, o contexto é muito diferente e, oficialmente, os Estados Unidos condenaram o golpe."














Essa comparação não é apenas hipotética, mas tem efeitos reais. "Isso é fundamental para entender a reação do governo brasileiro diante do golpe hondurenho. A crítica feita desde o primeiro momento vem de um governo formado por políticos como Lula, que sempre condenaram o golpe no Brasil, isso está na memória deste governo".


Notícias » Mundo » Mundo


Micheletti dá 10 dias ao Brasil para definir status de Zelaya

O Governo de fato de Roberto Micheletti deu um prazo de 10 dias ao Brasil para que defina o status do presidente hondurenho deposto, Manuel Zelaya, e anunciou que não receberá os embaixadores da Espanha, Argentina, México e Venezuela.

"Novamente solicitamos ao Governo do Brasil que defina o status do senhor Zelaya, dentro de um prazo não maior de dez dias. Se não for assim nos veremos obrigados a tomar medidas adicionais", disse nessa sábado à noite o Ministério de Exteriores do Governo de fato em comunicado lido por rádio e televisão para todo o país.

A mensagem pediu ao Brasil que "imediatamente tome medidas para assegurar que o senhor Zelaya deixe de utilizar a proteção que lhe oferece a missão diplomática do País para instigar a violência em Honduras". No entanto, não foram especificadas em que consistirão as "medidas adicionais".

Manuel Zelaya está

na Embaixada do Brasil como hóspede oficial desde segunda-feira passada, quando retornou a Honduras, quase três meses após ser expulso do país e do poder pelos militares.



Prá não dizer que não falei de flores (Geraldo Vandré)

Caminhando e cantando e seguindo a canção,
Somos todos iguais braços dados ou não,
Nas escolas, nas ruas, campos, construções,
Caminhando e cantado e seguindo a canção,

Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer,

Pelos campos a fome em grandes plantações,
Pelas ruas marchando indecisos cordões,
Ainda fazem da flor seu mais forte refrão,
E acreditam nas flores vencendo o canhão,

Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer,

Há soldados armados, amados ou não,
Quase todos perdidos de armas na mão,
Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição:
De morrer pela pátria e viver sem razão,

Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer,

Nas escolas, nas ruas, campos, construções,
Somos todos soldados, armados ou não,
Caminhando e cantando e seguindo a canção,
Somos todos iguais, braços dados ou não,
Os amores na mente, as flores no chão,
A certeza na frente, a história na mão,
Caminhando e cantando e seguindo a canção,
Aprendendo e ensinando uma nova lição,

Vem, vamos embora que esperar não é saber,
Quem sabe faz a hora, não espera acontecer.


VÁRIOS FORAM OS ARTISTAS, RELIGIOSOS, POLÍTICOS QUE SE MANIFETARAM CONTRA A DITADURA MILITAR INSTALADA NO BRASI.













Fonte: g1.glnoticias.uol.com.br/ultnot/.../ult1859u1322.jhtm - Em cache - Similaresobo.com/Noticias/0,,LTM0-5597-20326,00.html - Em cache - Similares


ENERGIA NUCLEAR. PARA PENSAR........

POEMA : VINÍCIUS DE MORAES
ROSA DE HIROSHIMA PENSE NAS CRIANÇAS MUDAS, TELEPÁTICAS PENSE NAS MENINAS CEGAS INEXATAS PENSE NAS MULHERES, ROTAS ALTERADAS PENSE NAS FERIDAS COMO ROSAS CÁLIDAS MAS, SÓ NÃO SE ESQUEÇA DA ROSA, DA ROSA DA ROSA DE HIROSHIMA, A ROSA HEREDITÁRIA A ROSA RADIOATIVA, ESTÚPIDA INVÁLIDA A ROSA COM CIRROSE E A ANTI-ROSA ATÔMICA SEM COR, SEM PERFUME, SEM ROSA, SEM NADA.
.


A ENERGIA NUCLEAR NO BRASIL

LOCAL ESCOLHIDO PARA A CONSTRUÇÃO DAS USINAS NUCLEARES

A procura da tecnologia nuclear no Brasil começou na década de 50, com o pioneiro nesta área, Almirante Álvaro Alberto, que entre outros feitos criou o Conselho Nacional de Pesquisa, em 1951, e que importou duas ultra-centrifugadoras da Alemanha para o enriquecimento do urânio, em 1953

A decisão da implementação de uma usina termonuclear no Brasil aconteceu de fato em 1969, quando foi delegado a Furnas Centrais Elétricas SA a incumbência de construir nossa primeira usina nuclear. Estávamos vivendo dentro de um regime de governo militar e o acesso ao conhecimento tecnológico no campo nuclear permitiria desenvolver não só submarinos nucleares mas armas atômicas. O Programa Nuclear Paralelo, somente divulgado alguns anos mais tarde, deixou bem claro as intenções do país em dominar o ciclo do combustível nuclear, tecnologia esta somente do conhecimento de poucos países no mundo.


Em junho de 1974, as obras civis da Usina Nuclear de Angra 1 estavam em pleno andamento quando o Governo Federal decidiu ampliar o projeto, autorizando Furnas a construir a segunda usina. Mais tarde, no dia 27 de junho de 1975, com a justificativa de que o Brasil já apontava escassez de energia elétrica para meados dos anos 90 e início do século 21, uma vez que o potencial hidroelétrico já se apresentava quase que totalmente instalado, foi assinado na cidade alemã de Bonn o Acordo de Cooperação Nuclear, pelo qual o Brasil compraria oito usinas nucleares e obteria toda a tecnologia necessária ao seu desenvolvimento nesse setor.


GRÁFICO DE SETORES : FONTES DE ERNERGIA DO BRASIL

Desta maneira o Brasil dava um passo definitivo para o ingresso no clube de potências atômicas e estava assim decidido o futuro energético do Brasil, dando início à "Era Nuclear Brasileira".
Angra 1 encontra-se em operação desde 1982 e fornece ao sistema elétrico brasileiro uma potência de 657 MW. Angra 2, após longos períodos de paralização nas obras, inicia sua geração entregando ao sistema elétrico mais 1300 MW, o dobro de Angra 1. A Central Nuclear de Angra, agora com duas unidades, está pronta para receber sua terceira unidade. Em função do acordo firmado com a Alemanha, boa parte dos equipamentos desta usina já estão comprados e estocados no canteiro da Central, com as unidades 1 e 2 existentes, praticamente toda a infraestrutura necessária para montar a terceira usina.




ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO DE UMA USINA NUCLEAR


Angra III já existe, tais como pessoal treinado e qualificado para as áreas de engenharia, construção e operação, bem como toda a infraestrutura de canteiro e sistemas auxiliares externos. Desta maneira, a construção de Angra 3 é somente uma questão de tempo

Brasil terá mais quatro usinas nucleares até 2030

Agência Brasil

Brasília - Depois da Usina Nuclear de Angra 3, que deverá entrar em operação em 2014, o governo pretende construir mais quatro usinas nucleares até 2030, cada uma com 1 mil megawatts de potência. A primeira deve entrar em operação em 2019, na Região Nordeste, entre Recife e Salvador. Outra usina deve ser construída na mesma região, e mais duas na Região Sudeste, entre o Rio de Janeiro e o Espírito Santo.


IMAGEM: USINA NUCLEAR DE CHERNOBYL- 1986

Na manhã de 26 de abril de 1986, como resultado de uma série de falhas de engenharia e controle, ocorreu um superaquecimento do reator número 4 da Usina Nuclear de Chernobyl, próximo à cidade de Kiev, na Ucrânia (ex-URSS). O superaquecimento provocou uma explosão que deslocou a tampa do reator, de duas mil toneladas, lançando na atmosfera uma nuvem contendo isótopos radioativos. Tal nuvem subiu até cerca de 5 km de altitude e se alastrou por vários países da Europa, sendo detectada a muitos quilômetros de distância. Esse foi o mais grave acidente nuclear da história.
Muitos dos operários e bombeiros que tentaram apagar o incêndio nas instalações morreram pouco depois, por terem sido expostos à radiação. O fogo só foi controlado quando helicópteros jogaram cinco mil toneladas de areia no topo do reator. Controlado o perigo mais imediato, veículos-robôs foram usados na tentativa de limpar a usina e eliminar os resíduos radioativos.

MAPA : LOCALIZAÇÃO DAS USINAS NUCLEARES NO MUNDO



EXISTE TODA UMA POLÊMICA EM RELAÇÃO AO USO DA ENERGIA NUCLEAR.
1-VOCÊ É CONTRA OU A FAVOR? REGISTRE SUA OPINIÃO.
2- QUAIS SÃO OS PAÍSES QUE POSSUEM AS MAIORES QUANTIDADES DE USINAS TERMONUCLEARES?
3-QUAIS SÃO OS PONTOS POSITIVOS E NEGATIVOS, COM O USO DE USINAS NUCLEARES?
4-QUAL A DIFERENÇA ENTRE O URÂNIO 235 E O 238 ? ONDE SE ENCONTRAM AS MAIORES RESERVAS ? QUAL A SITUAÇÃO DO BRASIL EM RELAÇÃO AS RESERVAS DE URÂNIO ?
5- POR QUE ESTÃO ACONTECENDO PROTESTOS NA ALEMANHA, APÓS ACIDENTE NA USINA DE FUKUSHIMA, NO JAPÃO ?
6-QUAL A SITUAÇÃO ATUAL DO JAPÃO EM RELAÇÃO A ENERGIA NUCLEAR E O VAZAMENTO DE MATERIAS RADIOATIVO NA USINA DE FUKUSHIMA ?







sexta-feira, 25 de setembro de 2009

TERMELÉTRICAS NA AMAZÔNIA

MAIS UM ABSURDO COMO TANTOS OUTROS.

Poluição do Ar
O pulmão intoxicado pelo diesel
As 260 termelétricas da Amazônia emitem o dobro
dos poluentes produzidos pela frota de veículos
da cidade de São Paulo. Não faz sentido falar
em preservação ambiental Sem que pelo menos
90%da energia da região venha de fontes limpas

Navegantes da fumaça
Petroleiro no Rio Negro levando diesel para a Amazônia: eletricidade cinco vezes mais cara do que no restante do Brasil.


A maioria das pessoas acredita que a Floresta Amazônica é o pulmão do planeta. Que, se ela desaparecer, o aquecimento global vai se acelerar de modo calamitoso. Quanto a isso, vale uma ressalva. Para merecer o título de pulmão do planeta, a região precisaria parar de envenenar a atmosfera com gases do efeito estufa. Atualmente, as 260 usinas termelétricas em operação em sete estados amazônicos, a grande maioria movida a óleo diesel, despejam todo ano na atmosfera 6 milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2), o principal gás que causa o aquecimento global. Parece pouco diante dos 770 milhões de toneladas de CO2 emitidas anualmente pelo desmatamento e pelas queimadas na floresta.
O CO2 produzido pelas termelétricas amazônicas, contudo, equivale ao dobro das emissões produzidas no mesmo período pela frota de veículos da cidade de São Paulo, a maior do país.
Manaus abriga uma das mais bem-sucedidas experiências de desenvolvimento sustentável, a Zona Franca, que produz riquezas sem precisar destruir um só graveto da floresta. Para movimentar suas indústrias, no entanto, a cidade depende quase integralmente da queima de óleo. As termelétricas respondem por 85% da eletricidade consumida no Amazonas, 70% no caso do Acre e 60% no do Amapá. O pulmão do mundo encontra-se intoxicado pela fumaceira.
Numa região rica de recursos hídricos, não é nada de mais esperar que pelo menos 90% da energia elétrica consumida em suas cidades venha de fontes limpas, como as hidrelétricas. "As termelétricas, além de poluidoras, não são confiáveis. Há grandes oscilações de energia ao longo do dia e às vezes falta luz. Isso representa um custo tremendo para as empresas, que instalam geradores próprios para se precaver das falhas de energia", diz Ronaldo Mota, diretor do Centro da Indústria do Estado do Amazonas.
A poluição e o custo extra para as indústrias não são os únicos ônus da dependência da Amazônia das termelétricas. A região não produz uma só gota do óleo diesel queimado nas usinas. Ele vem de São Paulo, do Rio de Janeiro e até de outros países, como Índia, Estados Unidos e Venezuela
.
O resultado é uma energia até cinco vezes mais cara do que a utilizada no restante do país. Se fosse integralmente repassada ao consumidor final, essa diferença praticamente inviabilizaria a venda da energia das termelétricas. Por isso, existe um mecanismo para subsidiar o diesel usado na Amazônia, a Conta de Consumo de Combustíveis (CCC), estimada neste ano em 2,7 bilhões de reais. Esse valor é rateado por todos os consumidores do país. Entre 2% e 3% da conta de luz que o brasileiro paga, more ele em Porto Alegre, Salvador ou Vitória, destina-se a subsidiar a energia da Amazônia.


Levar o óleo diesel às termelétricas da Amazônia é uma operação, além de custosa, complicada. Todos os meses atracam em Manaus cinco petroleiros carregados com 180 milhões de litros de óleo para abastecer as usinas e o setor de transportes da Região Norte. Os petroleiros percorrem quase 6 000 quilômetros, do Sudeste até Manaus .
De lá, o diesel é levado para outras cidades da Região Norte a bordo de quase 200 balsas-tanque e 500 caminhões. Há trechos, como o que se percorre até Cruzeiro do Sul, no Acre, que exigem mais de 4 000 quilômetros de navegação pelos rios. A viagem dura 25 dias, ou mais, além dos quinze gastos inicialmente no transporte a partir do Sudeste, dependendo das dificuldades criadas pela natureza. Nos períodos de seca, quando o nível dos rios fica muito baixo, o transporte por balsas é interrompido durante quatro meses e o combustível precisa ser estocado para não haver desabastecimento na cidade. Essas condições adversas resultam às vezes em situações esdrúxulas. Dependendo do destino do diesel, chega-se a gastar 2 litros dele como combustível para transportar cada litro que vai alimentar uma termelétrica.

Além de produzir poluição e atrapalhar a atividade econômica, a dependência de diesel causa vários transtornos à população da Amazônia. Nas comunidades ribeirinhas onde a única fonte de energia é um pequeno gerador, os moradores precisam racionar combustível para ter luz o mês inteiro. E, mesmo assim, apenas parcialmente, porque nesses casos o equipamento só é ligado três horas por dia, geralmente à noite. Em Aracari, comunidade ribeirinha a duas horas de barco de Novo Airão, no interior do Amazonas, os moradores recebem uma cota de 50 litros de diesel por mês da prefeitura. "Isso nem dá para o mês inteiro, só para três semanas", diz a professora Yolanda Santiago, que transfere alunos do turno da noite para o da manhã quando o diesel acaba por completo.
Acabar com a dependência do diesel na Amazônia é uma prioridade que esbarra sistematicamente na oposição de ambientalistas e do Ibama. Há hoje no Brasil dezoito projetos de hidrelétricas que não saem do papel ou cujas obras estão atrasadas por causa de ações judiciais que questionam seu impacto ambiental. Os motivos são variados: os rios que receberão as turbinas passam por reservas indígenas ou áreas de preservação. No Madeira, gastou-se em estudos sobre o impacto na piracema dos bagres (a conclusão foi que bastava deixar uma passagem para os peixes, como normalmente é feito em barragens). Uma dessas hidrelétricas, a de Belo Monte, no Rio Xingu, foi o pivô de uma cena selvagem ocorrida no ano passado. Numa apresentação do projeto da obra promovida por ONGs e ambientalistas, o engenheiro Paulo Fernando Rezende, da Eletrobrás, foi atacado a facão por índios caiapós e sofreu um corte profundo no braço
casas palafitas da Amazônia

A oposição do Ibama e dos ambientalistas a obras energéticas necessárias ao desenvolvimento da Amazônia não interessa a ninguém, muito menos aos moradores da região. O Brasil precisa ampliar sua produção de energia em 50% até 2017. As usinas hidrelétricas constituem a forma mais limpa e barata de produzi-la. A tecnologia hoje permite que os reservatórios das hidrelétricas tenham apenas 15% do tamanho que tinham no passado. Ou seja, seu impacto ambiental é muito menor. Mesmo assim, no Brasil, por incrível que pareça, os ambientalistas têm mais fôlego para combater as hidrelétricas do que as carvoarias.


FONTE DE ENERGIA LIMPA - ENERGIA EÓLICA


Como a Amazônia tem características geográficas complexas, com rios gigantescos e florestas densas, levar as linhas de transmissão de eletricidade a muitos pontos da região é difícil. Estudos mostram que, nessas áreas, o ideal seria recorrer às fontes alternativas de energia. Entre elas, a eólica tem potencial restrito. Poderia ser explorada quase exclusivamente na costa do Amapá, com condições de vento semelhantes às do Nordeste. A opção que se mostra mais viável nesses casos é a energia solar. A Amazônia tem média de radiação solar três vezes superior à de países como a Alemanha, líder mundial em energia produzida por painéis fotovoltaicos. A implantação da energia solar em municípios de porte médio ou pequeno é uma operação relativamente rápida que poderia, em pouco tempo, reduzir o uso das usinas termelétricas em diversos pontos da Amazônia. Em comunidades ribeirinhas, as fontes alternativas de energia podem substituir por completo os geradores a diesel. Como aconteceu na comunidade Santo Antônio, da Ilha do Siriri, no município paraense de Breves, que há um ano abriga um projeto da Universidade Federal do Pará de uso de biomassa. O antigo gerador a diesel, que funcionava quatro horas por dia, foi substituído por um sistema de geração a partir de uma caldeira alimentada por resíduos de madeira, sobras de uma serraria que usa madeira certificada. É preciso tirar do papel os projetos de grande porte, como as hidrelétricas, e apostar nas energias alternativas para livrar a Amazônia da fumaceira poluente e cara do óleo diesel.



FONTE LIMPA DE ENERGIA - ENERGIA SOLAR


Após a leitura da reportagem, como você se sente tendo que ajudar a pagar a conta do diesel usado na Amazônia? Quais as fontes alternativas de energia poderiam ser utilizadas na região?


sábado, 12 de setembro de 2009

ESTUDANDO AS DIVERSAS PAISAGENS 5ª SÉRIE

ESPAÇOS NATURAIS E ESPAÇOS TRANSFORMADOS




O espaço geográfico corresponde ao espaço construído e alterado pelo homem, pode ser definido com sendo o palco das realizações humanas nas quais estão as relações entre os homens e desses com a natureza. O espaço geográfico abriga o homem e todos os elementos naturais, tais como relevo, clima, vegetação e tudo que nela está inserido.











O espaço geográfico em sua etapa inicial apresentava somente os aspectos físicos ou naturais presentes, como rios, mares, lagos, montanhas, animais, plantas e toda interação e interdependência entre eles. O surgimento do homem, desde o mais




primitivo, que começou a interferir no meio a partir do corte de uma árvore para construção de um abrigo e para caça, impactou e transformou o espaço geográfico.

Nesse primeiro momento as transformações eram quase que insignificantes, uma vez que tudo que se retirava da natureza servia somente para sanar as necessidades básicas de sobrevivência, processo denominado de “meios de existência”. Toda modificação executada na natureza é proveniente do trabalho humano.




As constantes intervenções humanas no espaço causam uma infinidade de degradação que recentemente tem se voltado contra o homem, desse modo, a natureza está devolvendo tudo aquilo que as ações antrópicas causaram, são vários os exemplos decorrentes das profundas alterações ocorridas principalmente no último século no planeta, como o aquecimento global, efeito estufa e escassez de água.




As décadas de exploração ocasionaram a extinção, somente no século XX pelo menos 15% das espécies da fauna e da flora foram extintas.




A partir das afirmativas, fica evidente que o homem necessita da natureza para obter seu sustento, no entanto, o que tem sido promovido é uma exploração irracional dos recursos que, se continuar nesse ritmo, provavelmente as próximas gerações enfrentarão sérios problemas, além de comprometer a vida de todos os seres vivos na Terra, inclusive o homem, caso o problema não seja solucionado.


Além dos seres humanos, as plantas, o solo, o clima e os animais também interferem na paisagem.


ESTUDANDO A PAISAGEM DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO.


Típico do interior do Nordeste, região conhecida como o Polígono das Secas, que corresponde a quase todo o sertão nordestino e aos vales médio e inferior do rio São Francisco. Sofre a influência da massa tropical atlântica que, ao chegar à região, já se apresenta com pouca umidade. Caracteriza-se por elevadas temperaturas (média de 27ºC) e chuvas escassas (em torno de 750 mm/ano), irregulares e mal distribuídas durante o ano. Há períodos em que a massa equatorial atlântica (superúmida) chega no litoral norte de Região Nordeste e atinge o sertão, causando chuva intensa nos meses de fevereiro, março e abril.

A cisterna
é uma tecnologia popular para a captação de água da chuva e representa uma solução de acesso a recursos hídricos para a população rural do semi-árido brasileiro. Elas são destinadas à população rural de baixa renda que sofre com os efeitos das secas prolongadas, que chegam a durar oito meses do ano. Nesse período, o acesso à água normalmente ocorre por meio de barreiros, açudes e poços que ficam a grandes distâncias e possuem água de baixa ou baixíssima qualidade, provocando várias doenças e enfermidades nas populações que se vêem obrigadas a consumir água proveniente dessas fontes.









Açude - conjunto constituido por barragem ou barramento de um curso d’água efêmero (escoamento superficial que tem lugar após as chuvas e que cessa após algum tempo). A foto ao lado é do Açude Camorim, que fica na Zona Oeste do Rio de Janeiro.


AÇUDE DE ORÓS


Barreiro Trincheira:
São tanques profundos e estreitos, cavados em subsolo cristalino com um ou mais compartimentos e de mais de três metros de profundidade, com fundo e parede de pedra (piçarra), que não deixa a água se infiltrar. Pequenas valetas são construídas para direcionar a água de enxurradas para esses compartimentos. É aconselhado fazer pequenas barreiras de pedras dentro do desvio da água para reter a areia. Por ser estreito e fundo sua superfície de evaporação é menor. O Barreiro-trincheira armazena água para os animais e para irrigação de um "quintal produtivo" de verduras.








Asa Branca
Gonzaguinha
Composição: Luiz Gonzaga / Humberto Teixeira

1-Quando oiei a terra ardendo
com a fogueira de São João

Eu perguntei, a Deus do céu, ai
Por que tamanha judiação(2x)

2-Que braseiro, que fornaia
Nem um pé de prantação

Por falta d'água perdi meu gado
morreu de sede meu alazão(2x)

3-Inté mesmo a asa branca
Bateu asas do sertão

Entonce eu disse adeus Rosinha
Guarda contigo meu coração(2x)

4-Hoje longe muitas légua
Numa triste solidão

Espero a chuva cair de novo
Para mim vorta pro meu sertão(2x)

5-Quando o verde dos teus olhos
Se espalhar na prantação

Eu te asseguro não chore não, viu
Que eu voltarei, viu
Meu coração(2x)

FONTES:www.fazfacil.com.br/reforma.../cisternas.html -
www.informativosbc.com.br/novidades/acqualimp1.htm -

1- QUAIS PROBLEMAS SÃO RETRATADOS NA MÚSICA ASA BRANCA?
2- EXPLIQUE O MOVIMENTO MIGRATÓRIO DA POPULAÇÃO DO SEMI-ÁRIDO BRASILEIRO:
3-QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS ALTERNATIVAS UTILIZADAS PELA POPULAÇÃO DO SERTÃO PARA MINIMIZAR O PROBLEMA DA ESCASSEZ DE ÁGUA?
4- CONSTRUA UMA SÍNTESE DO VÍDEO :

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

PETRÓLEO O OURO NEGRO

PETRÓLEO PROBLEMA OU SOLUÇÃO?



SURGIMENTO DO PETRÓLEO

ORIGEM

Há inúmeras teorias sobre o surgimento do petróleo, porém, a mais aceita é que ele surgiu através de restos orgânicos de animais e vegetais depositados no fundo de lagos e mares sofrendo transformações químicas ao longo de milhares de anos. Substância inflamável possui estado físico oleoso e com densidade menor do que a água. Sua composição química é a combinação de moléculas de carbono e hidrogênio (hidrocarbonetos).

USO E DERIVADOS

Além de gerar a gasolina, que serve de combustível para grande parte dos automóveis que circulam no mundo, vários produtos são derivados do petróleo como, por exemplo, a parafina, gás natural, GLP, produtos asfálticos, nafta petroquímica, querosene, solventes, óleos combustíveis, óleos lubrificantes, óleo diesel e combustível de aviação.

PRIMEIRO POÇO DA HISTÓRIA

O primeiro poço de petróleo foi descoberto nos Estados Unidos – Pensilvânia – no ano de 1859. Ele foi encontrado em uma região de pequena profundidade (21m). Ao contrário das escavações de hoje, que ultrapassam os 6.000 metros. O maior produtor e consumidor mundial são os Estados Unidos; por esta razão, necessitam importar cada vez mais.


MAIORES PRODUTORES DE PETRÓLEO MUNDIAIS




Os países que possuem maior número de poços de petróleo estão localizados no Oriente Médio, e, por sua vez, são os maiores exportadores mundiais. Os Estados Unidos da América, Rússia, Irã, Arábia Saudita, Venezuela, Kuwait, Líbia, Iraque, Nigéria e Canadá, são considerados um dos maiores produtores mundiais.


MAIORES RESERVAS MUNDIAIS




CONSUMO




PETRÓLEO NO BRASIL



No Brasil, a primeira sondagem foi realizada em São Paulo, entre 1892-1896, por Eugênio Ferreira de Camargo, quando ele fez a primeira perfuração na profundidade de 488 metros; contudo, o poço jorrou somente água sulfurosa. Foi somente no ano de 1939 que foi descoberto o óleo de Lobato na Bahia.

A Petrobras foi criada, em 1953, com o objetivo de monopolizar a exploração do petróleo no Brasil. A partir daí muitos poços foram perfurados. Atualmente, a Petrobras está entre as maiores empresas petrolíferas do mundo.


O petróleo é uma das principais commodities minerais produzidas pelo Brasi
- Petróleo Brent: petróleo produzido na região do Mar do Norte, provenientes dos sistemas de exploração petrolífera de Brent e Ninian. É o petróleo na sua forma bruta (crú) sem passar pelo sistema de refino.

TIPOS DE PETRÓLEO

- Petróleo Light: petróleo leve, sem impurezas, que já passou pelo sistema de refino.

- Petróleo Naftênico: petróleo com grande quantidade de hidrocarbonetos naftênicos.

- Petróleo Parafínico: petróleo com grande concentração de hidrocarnonetos parafínicos.

- Petróleo Aromático: com grande concentração de hidrocarbonetos aromáticos.

Por ser a principal fonte energia do planeta, o petróleo já foi motivo de algumas guerras, como a Primeira Guerra do Golfo, a Guerra Irã-Iraque, a luta pela independência da Chechênia e a invasão estadunidense no Iraque, em 2003. Sem dúvida, a existência de petróleo é um sinônimo de riqueza e poder para um país. O combustível se tornou ainda mais valorizado após a criação da OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo), que nasceu com o fim de controlar preços e volumes de produção e pressionar o mercado.

Atualmente, os dez maiores produtores de petróleo do mundo são: Rússia, Estados Unidos, Arábia Saudita, Irã, Iraque, Kuwait, Emirados Árabes Unidos, Venezuela, México e Inglaterra.




QUESTÕES POLÍTICAS E ECONÔMICAS

Sendo a principal fonte de energia do planeta, uma riqueza distribuída de forma não igual entre os países e um recurso não-renovável, o petróleo se tornou provavelmente a mais importante substância negociada entre países e corporações, e tem sido, a partir do século XX, um fator político importante e causador de crises entre governos, levando explícita ou, na maior parte dos casos, implicitamente a guerras, massacres e extermínios.






Entre os eventos históricos mais importantes que podem ser diretamente ou parcialmente ligados ao petróleo estão:




* A Crise do petróleo na década de 1970
* A Primeira Guerra do Golfo
* Diferentes guerras entre os países árabes, inclusive a Guerra Irã-Iraque
* A luta pela independência da Chechênia
* Guerra Iraque-Estados Unidos (Invasão do Iraque)





DURAÇÃO DAS RESERVAS

A estimativa depende da descoberta de novas reservas, do aumento da produtividade nos poços e da evolução do consumo no mundo. Se tudo ficar como está hoje, o petróleo vai durar mais 40 anos.

1- Iraque

Estimativa de Duração – 158 anos


2- Arábia Saudita

Estimativa de Duração – 67 anos

3- Rússia

Estimativa de Duração – 22 anos

4- Brasil

Estimativa de Duração – 18 anos

5- EUA

Estimativa de Duração – 7 anos


PARA REFLETIR E ENCONTRAR UMA SOLUÇÃO.

Não existe dúvidas da importância do petróleo para o desenvolvimento mundial, por outro lado ele gerou muitas guerras e um grande desastre ambiental. 1-Quais seriam os recursos disponíveis para geração de fontes alternativas de energia no Brasil? 2-Observando as estimativas de duração das reservas de petróleo o poderá ocorrer no futuro próximo ?
3- Qual é a situação real do Brasil em relação a auto-suficiência em relação ao petróleo ?
4-Coloque o nome de 5 refinerias de petróleo do Brasil com sua localização
5-Qual a origem e a formação do petróleo?
6-Quais os países que possuem as maiores reservas de petróleo?
Escolha um dos vídeos e faça uma síntese, escrevendo sua opinião sobre o tema:
FONTES :
www.ambiente-verde.info/petroleo-gas-natural.html -
www.mundovestibular.com.br/.../PETROLEO...POLUICAO-/Paacutegina1.html -
www.colegioweb.com.br/.../poluicao-por-derramamento-de-petroleo-e-lixo -
www.suapesquisa.com/geografia/petroleo/ -www.cepetro.unicamp.br/petroleo/index_petroleo.html -

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

REGIÃO CENTRO - OESTE DO BRASIL.

Atualizado: 28/08/2012
gruta‑do‑lago‑azul‑em‑bonito‑mato‑grosso‑do‑sul.jpg udiviagens.blogspot.com

topicos.estadao- Ave monogâmica, em Bonito, Mato Grosso do Sul

CONHECENDO UM POUCO DA REGIÃO CENTRO-OESTE


A região Centro-Oeste, entre as cinco existentes, é a segunda maior região do país. É constituída por três Estados e o Distrito Federal, são eles: Goiás (capital Goiânia), Mato Grosso (Cuiabá), Mato Grosso do Sul (Campo Grande) e Brasília (capital federal).
O Centro-Oeste ocupa uma área 1 606 372 km2, que supera em extensão a soma de todos os territórios da Alemanha, Áustria, Bélgica, Dinamarca, Grécia, Holanda, Hungria, Irlanda, Noruega, Suíça e Reino Unido.

A região Centro-Oeste abriga cerca de 13 milhões de habitantes (18,9% do território nacional) e uma densidade demográfica de 8,26 hab./km2. A população da região possui origem multicultural, em virtude de a mesma ser composta por pessoas vindas de diversas partes do Brasil.

A região Centro-Oeste é muito rica em diversidades naturais, nela são encontradas importantes características vegetais, sendo as principais: o Cerrado, o Pantanal e a floresta Amazônica. Domínios que se destacam por serem considerados patrimônios naturais do Brasil.
biologo.com.br

schonereise.com.br O Pantanal do Mato Grosso .



VEGETAÇÃO AMEAÇADA




O Centro-Oeste: abrange ao mesmo tempo parte de duas regiões geoeconômicas, são elas: Amazônia e Centro-Sul. Quanto à localização, essa parte do Brasil é privilegiada, tendo em vista que se limita com todas as outras regiões, além de fazer fronteira com Paraguai e Bolívia.

Atualmente, o Centro-Oeste é uma das regiões que mais cresce no país, fato explicado por melhorias na agropecuária e desenvolvimento industrial, especialmente pelas agroindústrias instaladas.


A MECANIZAÇÃO NO CAMPO



A abertura das fronteiras econômicas na Região Centro-Oeste facilitou a entrada de uma grande quantidade de migrantes, trabalhadores rurais que tinham como objetivo conseguir trabalho nas novas áreas de agricultura e pecuária.

A partir desse fato, alguns migrantes compraram e outros tomaram posse de terras dando origem a diversas propriedades rurais de pequeno e médio porte, geralmente com poucas tecnologias, isso significa que era desenvolvida a agropecuária tradicional, mão-de-obra praticada pela família que cultivava produtos da base alimentar como o arroz, milho e feijão.

Algum tempo depois ocorreu o processo de expropriação dos pequenos e médios proprietários, o fato é explicado, pois grandes latifundiários e grupos empresariais iniciaram a compra de grandes extensões de terras promovendo a concentração fundiária.

Como consequência, a região hoje é uma das que apresenta grande incidência de concentração de terras no Brasil. Outro resultado desse processo foi a falta de trabalho no campo, uma vez que grandes propriedades desenvolviam pecuária extensiva e outras a produção agrícola altamente mecanizada. A escassez de emprego levou milhares de pessoas às cidades próximas, ocasionando assim o fenômeno do êxodo rural.

O processo do êxodo rural ocorrido na Região Centro-Oeste resultou em um rápido crescimento da população que ocupou os centros urbanos e até mesmo fez surgir novas cidades. A chegada intensa da população do campo nas cidades fez com que essas ficassem saturadas em relação à quantidade de pessoas, desestabilizando a estrutura urbana.


O ÊXODO RURAL



Isso significa que, ao ocupar de forma rápida áreas que até então eram desabitadas, o governo não conseguiu disponibilizar a todos os serviços públicos, com isso a população passou a enfrentar uma série de problemas de caráter de infra-estrutura como a falta de saneamento, escolas, iluminação, pavimentação, policiamento entre outros.
O crescimento de bairros marginalizados nas grandes cidades da Região Centro-Oeste acontece porque a oferta de emprego é incapaz de absorver a quantidade de mão-de-obra derivada do campo.

O agronégocio é a principal atividade econômica da região Centro-Oeste. O mesmo engloba as agroindústrias e a produção agropecuária. A última tem se destacado no fornecimento de matéria prima para indústrias de alimentos e de outros setores do Brasil e do exterior, principalmente carne, soja, algodão, milho, cana-de-açúcar e arroz.

A região tem uma participação significativa no cenário nacional quanto à produção agropecuária, uma vez que a cada ano os índices de produtividade se elevam. Isso tem ocorrido em razão de investimentos em tecnologias, especialmente naquelas propriedades de produção tradicional. Os recursos são aplicados na compra de maquinários, insumos agrícolas, e na utilização de mão-de-obra especializada (técnicos) no desenvolvimento das atividades. Em suma, o que tem ocorrido é um processo de modernização maciça do campo na região.
akatu.org.br-plantação de algodão

veja.abril.com.br - Plantação de soja em Sorriso, Mato Grosso

Na região Centro-Oeste é possível identificar áreas agrícolas que se destacam na produção de determinadas culturas. No Mato Grosso, as culturas que se destacam são: arroz, soja e o milho no norte da capital (Cuiabá); algodão no sul do Estado; e cana-de-açúcar a oeste do mesmo. No Mato Grosso do Sul, nas proximidades de sua capital (Campo Grande), destaca-se a produção da soja e do trigo; no município de Dourados, soja, cana-de-açúcar, milho e arroz; e ao norte do Estado, soja. Já em Goiás, o que se destaca é a produção de algodão, soja, milho e arroz, isso no sudoeste do Estado; no Mato Grosso goiano (centro do Estado) a principal cultura é a cana-de-açúcar.


A PECUÁRIA DO CENTRO OESTE


Historicamente, a região sempre se destacou na pecuária. Ainda hoje, essa atividade possui uma grande relevância para a economia do Centro-Oeste, respondendo pela maioria da renda proveniente do setor agropecuário. A pecuária desenvolvida na região se dedica, principalmente, à criação de bovinos, mas também existem criadores de bubalinos e eqüinos.




ATIVIDADE:
1- Quais os estados e capitais que formam a região Centro-Oeste ?
2- Quais os biomas que estão presentes na regoão Centro-Oeste? Escreva três características de cada vagetação:
3- Atualmente quais são as principais atividades econômicas da região?
4- Quais foram as principais causas para o êxodo rural na região Centro-Oeste?
5- Quais foram as principais consequências para a população e para as cidades com o êxodo rural?
6- Escreva sobre a bacia hidrográfica Tocantins-Araguaia:
7- Escreva sobre a rodovia Transbrasiliana: