quarta-feira, 14 de outubro de 2015

RIO PELOTAS

O rio Pelotas é um rio brasileiro que faz a divisa natural entre os estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

www.skyscrapercity.com

Nasce no Parque Nacional de São Joaquim na Serra Geral, no município de Bom Jardim da Serra, próximo às nascentes do rio Laranjeiras e do rio Lava-Tudo, a mais de mil metros de altura, correndo para sul-sudoeste até fazer parte da divisa dos municípios de Bom Jardim da Serra e São Joaquim. Ao chegar à divisa do estado de Santa Catarina com o Rio Grande do Sul depois de 130 km, passa a correr para o noroeste. Juntando-se com o rio Canoas, passa a formar o rio Uruguai.

O rio Pelotas dá origem à maior bacia hidrográfica do Rio Grande do Sul, a bacia hidrográfica do rio Uruguai. Nas margens do Pelotas está uma das áreas mais selvagens do sul do país. As matas ciliares do rio indicam os últimos remanescentes florestais da região nordeste do estado do Rio Grande do Sul. Mas um grande número de árvores foi devastado nas últimas décadas por grandes empresas madeireiras e pela construção da Usina Hidrelétrica de Barra Grande. Registra-se também que os campos às margens do rio sofrem até os dias atuais com ação sistemática de queimadas com vistas à renovação das gramíneas. O rio atravessa diversos cânions com corredeiras e morros muito íngremes, alguns com altura de mais de 500 m em relação ao nível do rio, gerando interesse do governo em utilizar o potencial hidrelétrico na região. A hidrelétrica de Barra Grande já foi construida e o governo tem projetos para mais duas UHEs na região, que se concretizados poderiam destruir uma das últimas áreas de floresta do sul do Brasil, assim como fazer submergir os cânions e corredeiras.
https://pt.wikipedia.org/wiki/

sosriopelotas.wordpress.com

A importância do Pelotas

Página inicial > Monitoramento e Mobilização > SOS Rio Pelotas >
A preservação do rio Pelotas é imprescindível para a conservação da diversidade biológica, cultural e histórica da região por onde ele passa, na divisa de Santa Catarina com o Rio Grande do Sul. Confira nesta seção detalhes e imagens sobre este tão importante rio para a população do Sul do Brasil.

A deslumbrante paisagem do rio Pelotas
Pelotas - um rio a ser preservado
“Quando recordo o passado, nos tempos de minha infância
Lembro do rio pelotas, que ficou-me na distância
Vai Rio pelotas sem parar, correndo vai
Caminhando dia e noite, vai formar o rio Uruguai”...

Estas são rimas de uma canção popular que faz parte das tradições do povo que convive com o Pelotas, rio que fica na divisa dos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul e que é o principal afluente do rio Uruguai, formando uma das maiores bacias hidrográficas do Sul do Brasil. Essas águas passam ainda pela Argentina e pelo Uruguai e mais tarde se juntam ao rio Paraná para formar o grande rio da Prata.

É um rio que historicamente esteve presente na vida das pessoas. Foi lugar de passagem dos antigos tropeiros, que nele tinham que atravessar suas mulas. Aliás foi desta maneira que ele ganhou seu nome. Os tropeiros atravessavam a mula guia amarrada numa espécie de botezinho, feito com couro de boi, ao qual davam o nome de pelota. Nessa “pelota” iam dois remadores. Daí para virar nome de rio foi um pulo. O Passo de Santa Vitória, na foz do rio dos Touros era o local de travessia dos tropeiros e foi também palco de um evento importante da revolução farroupilha, foi lá que aconteceu o combate de Santa Vitória, em 1839, com a presença de Anita Garibaldi lutando para derrubar as forças do império.

Mas o Pelotas não é só história. É também um verdadeiro paraíso para ambientalistas e aventureiros. Suas águas foram cavalgadas pela primeira vez numa expedição de rafting em setembro de 2006. Nesta expedição foi possível se constatar a enorme riqueza que será perdida, caso seja construída a Usina Hidrelétrica de Paiquerê, a quarta usina em seqüência no mesmo rio. Já foram construídas: Itá, Machadinho e Barra Grande.

Depois do enchimento do lago da Usina Hidrelétrica de Barra Grande (saiba mais), que inundou praticamente as últimas áreas ciliares primárias de floresta com araucárias, são nestas margens do Pelotas que agora sobrevivem as últimas áreas de transição das florestas ombrófila mista e estacional e também de campos naturais da região, fato que confere ao local um alto índice de biodiversidade. Estas formações são atualmente as mais ameaçadas do Bioma da Mata Atlântica.


riouruguaivivo.wordpress.com

Nas suas matas existem árvores bem conhecidas, como a araucária, o cedro e algumas canelas, mas também outras de nomes esquisitos e peculiares, como o miguel-pintado, a carne-de-vaca, o pau-toucinho e o rabo-de-mico. Nas matas ciliares surgem majestosas as araucárias que se destacam em meio aos açoita-cavalos e branquinhos que no inverno perdem suas folhas e imprimem uma visão deslumbrante à paisagem. O coqueiro jerivá e o pinheiro bravo também aparecem como bordaduras no meio da mata e ainda para enfeitar as cachoeiras dos afluentes, surgem os butiás-da-serra.

Um fato impressionante é a regeneração da floresta com araucárias, provavelmente um trabalho feito pelas gralhas e cotias que vivem na região. Mas não é só de cotias e gralhas que vive o rio. Os que se aventuram em nas águas podem ter contatos inesperados com lontras, capivaras, veados e várias espécies de pássaros, sem falar nas inúmeras estórias sobre os pumas da região, contadas pela população.

Inesperadas também são as surpresas encontradas nos afluentes que surgem nas curvas do Pelotas, que com suas águas límpidas muitas vezes despencam em cachoeiras belíssimas de se contemplar. Com seu leito rochoso, o rio oferece aos visitantes águas volumosas e transparentes e em vários trechos, paredões de pedra e serras. É sem dúvida um grande corredor ecológico, que pode ser apreciado tanto nos seus remansos, quanto em suas corredeiras.

Falando em corredeiras e paisagens, não se pode deixar de enfatizar que o Pelotas é um rio que tem ainda muitas oportunidades a oferecer, não somente por seu passado e sua história, mas por seu presente e futuro. Ao ser cavalgado pela primeira vez por um bote de rafting, foi comparado pelo comandante, ao famoso rio Zambezi, paraíso do rafting na África.

E para os que pensam que acabou, tem ainda uma surpresa final. Ao saírem do rio encontrarão a acolhida amistosa da população, poderão se aquecer e saborear uma sapecada de pinhões no fogo de chão, comer um jantar típico, quem sabe dar de cara com um pouco de neve e com sorte, apreciar um belo pôr do sol. Este é talvez um dos mais belos do mundo, quando o sol, ao bailar das curicacas, tenta de esconder por detrás das magníficas copas das araucárias.

Um rio que tem essa história, que faz nascer a cultura, que guarda um ambiente natural de alta qualidade, verdadeiro e único refúgio de vida silvestre ainda preservado naquela região e, que tem um alto potencial turístico, importante para o desenvolvimento sustentável, deve ser protegido e preservado para as presentes e futuras gerações.

Texto: Miriam Prochnow
www.apremavi.org.br

Nenhum comentário: