domingo, 20 de maio de 2012

SANTA CATARINA/POVOAMENTO E COLONIZAÇÃO



Povoamento e Colonização.

Santa Catarina, inicialmente, era habitada por indígenas da grande nação tupi-guarani, sendo que no litoral localizavam-se os Caripós ou Carijós, nos vales litorâneos, nas encostas do planalto e no planalto, habitavam os grupos Jê ou Xókleng e Kaingang. Ainda hoje, existem remanescentes em reservas como as de Ibirama, Xanxerê e Chibamgue (Chapecó).
A expansão do povoamento do litoral sul-brasileiro partiu da Capitania de São Vicente e, ao findar-se o século XVII, já existiam três núcleos básicos de povoamento catarinense. Nossa Senhora do Rio São Francisco, atual São Francisco do Sul, fundada em 1658, Desterro, hoje Florianópolis, fundada em 1662, e Santo Antonio dos Anjos de Laguna, atual Laguna, fundada em 1682.
Em 1738, a Capitania de Santa Catarina foi desmembrada da Capitania de São Paulo, para ser anexada ao governo do Rio de Janeiro.
- - - - -açoriana
-------paulistas
- - - - vicentistas

Em meados do século XVIII, os paulistas desbravadores do sertão, que procuravam terras riograndinas em busca de gado, pelos caminhos de Lajes, estabeleciam "pousos" que com o tempo transformaram-se em povoações. Formava-se, assim, outro núcleo básico de povoamento catarinense. Lajes, fundada em 1770.

Nessa mesma época, Portugal, procurando resolver os problemas de excesso de população no arquipélago dos Açores e, ao mesmo tempo, efetivar a ocupação do território catarinense, enviou várias levas de colonos daquele arquipélago e da Ilha da Madeira, para se juntarem ao contingente vicentista já engajado no desenvolvimento da agricultura no litoral. Alguns desses colonos seguiram para o território gaúcho.
imagem Flickr/uol-Furnas-ilha de São Miguel-Açores
Ilha do Pico/Açores
Essas duas correntes de povoamento, a vicentista-açoriana-madeirense e a paulista, estavam condenadas a permanecer sem contato, devido ao relevo e a vegetação, durante todo o século XVIII e a metade do seguinte.
casa de imigrante italiano ( família Tamanini)
No século XIX, ocorreu a imigração europeia, sobressaindo os colonos alemães e italianos e, em menor escala, os eslavos.
Como a colonização oficial teve pouco êxito, aplicou-se o princípio de colonização por companhias particulares, cuja administração se apoiava em princípios econômicos.

Colonização Alemã.
A primeira colônia europeia em Santa Catarina foi instalada, por iniciativa do governo, em São Pedro de Alcântara, em 1829. Eram 523 colonos católicos vindos de Bremem (Alemanha).
São Pedro de Alcântara/Santa Catarina
Em 1849, a Sociedade Colonizadora de Hamburgo adquiriu 8 léguas quadradas de terra que correspondiam ao dote da princesa Dona Francisca, casada com o príncipe, fundando a colônia Dona Francisca, cujo núcleo deu origem à cidade de Joinville. Esta colônia, apesar das dificuldades do clima, do solo e do relevo, prosperou, expandindo-se pelos vales e planaltos, dando origem, em 1870, à colônia de São Bento do Sul.Localização de colônias alemã em Santa Catarina-infoescola

A colônia Blumenau (atual Blumenau), no vale do rio Itajaí-Açu, fundada em 1850, por um particular, dr. Hermann Blumenau, foi vendida 10 anos após ao Governo Imperial.
Blumenau-SC
E 1893, a Sociedade Colonizadora Hanseática fundava no vale do Itajaí do Norte, a colônia de Hamônia (atual Ibirama).
No vale do Itajaí-Mirim, a partir de 1860, começaram a chegar as primeiras levas de imigrantes, principalmente alemães e italianos que dinamizaram a colônia de Itajaí, posteriormente denominada Brusque.
Na parte sul do rio Tijucas, apesar dos insucessos da colônia pioneira de São Pedro de Alcântara, novos intentos colonizadores foram alcançados por alemães, com a criação das colônias de Santa Tereza e Angelina.

Colonização Italiana.
O elemento de cultura italiana insere-se no contexto populacional catarinense em seis momentos:
Fonte: Flickr-Uol/ São João Batista
1. Fundação da colônia Nova Itália (atual São João Batista) em 1836, no vale do rio Tijucas, com imigrantes da Ilha da Sardenha.

2. Em decorrência do contrato firmado, em 1874, entre o governo imperial brasileiro e Joaquim Caetano Pinto Júnior, foram fundadas, a partir de 1875, Rio dos Cedros, Rodeio, Ascurra e Apiúna, em torno da colônia Blumenau; Porto Franco (atual Botuverá) e Nova Trento, em torno da colônia Brusque. Em 1877, funda-se a colônia Luís Alves no vale do rio Itajaí-Açu e implantou-se, no vale do rio Tubarão, os núcleos de Azambuja, Pedras Grandes e Treze de Maio: no vale do Urussanga, os núcleos de Urussanga, Acioli de Vasconcelos (atual Cocal) e Criciúma.

3. Fundação da colônia Grão Pará (atuais municípios de Orleans, Grão Pará, São Ludgero e Braço do Norte), por Conde D'Eu e Joaquim Caetano Pinto Júnior.

4. Efetivação do contrato da Companhia Fiorita com o governo brasileiro em 1891; fundação, em 1893, da colônia Nova Veneza (atuais Nova Veneza e Siderópolis), estendendo-se do vale do rio Mãe Luzia até o vale do rio Araranguá.

5. Expansão das antigas colônias do médio vale do Itajaí-Mirim em direção ao interior, no encontro de novas terras no alto vale do Itajaí (Itajaí do Sul e Itajaí do Oeste, assim como as do perímetro do Rio Tubarão).

6. A partir de 1910, com a vinda dos ítalo-brasileiros do Rio Grande do Sul - das áreas marginais dos vales dos rios do Peixe e do Uruguai e, paulatinamente, do Médio e do Extremo Oeste catarinense.

Colonização Eslava.

A partir de 1871, chegou a Brusque o primeiro grupo de poloneses, que mais tarde se transferiu para o Paraná. Em função do contrato com o governo imperial, já ocorria o ingresso de poloneses na então província de Santa Catarina, em 1882.
Flickrive-Brusque/SC
A partir de 1889, novas levas de imigrantes poloneses e russos chegavam ao Sul de Santa Catarina , nos vales dos rios Urussanga, Tubarão, Mãe Luzia e Araranguá , e outras levas se localizaram nos vales dos rios Itajaí e Itapocu e em São Bento do Sul e adjacências.

Nessa mesma época, os imigrantes que chegavam ao porto de Paranaguá foram encaminhados pelo Governo do Paraná para a vila de Rio Negro e daí para a colônia Lucena (atual Itaiópolis).

Em 1900, vão ingressar nas localidades de Linha Antunes Braga, em São Camilo e Braço do Norte, nas terras da antiga colônia Grão Pará, e nas localidades de Estrada das Areias, Ribeirão das Pedras, Pedras Warnow Alto e Vargem Grande, nas terras do então município de Blumenau.

Após a Primeira Guerra Mundial, tem-se novos ingressos na região do vale do rio do Peixe, Médio-Oeste Catarinense, em rio das Antas e Ipoméia (1926); no vale do rio Uruguai, nos tributários do Uruguai, em Descanso (1934); no vale do Itajaí do Oeste (1937); em Faxinal dos Guedes (1938) e alto vale do Itajaí do Norte (1939) entre alguns outros poucos lugares.

Com a Segunda Guerra Mundial, imigrantes poloneses dirigiram-se, em 1940, através do vale do rio Uruguai para Mondaí e, em 1948, do alto vale do Itajaí para Pouso Redondo.
Fonte: Atlas Escolar de Santa Catarina/Governo do Estado de SC

4 comentários:

charliane de camargo disse...

Muito bom. Bem objetivo!

Anônimo disse...

lI O TEXTO,ACHEI MUITO INTERESSANTE...A COLONIZAÇÃO, DO ESTADO DE SANTA CATARINA FORAM , VARIAS ETNIAS ...,POSSUÍ UM LITORAL MARAVILHOSO, GASTRONOMIA DIVERSIFICADA . FESTAS, EVENTOS ....E AS PRAIAS !!!!!!

Anônimo disse...

O texto é bem objetivo e bem sintetizado proporcionando um estudo e conhecimento dos principais e marcante fatos da Colonizaçaõ desta maravilha do ATLANTICO.
Agnaldo do Carmo.

Anônimo disse...

Muito bom, mas eu queria saber onde ficava o atracador dos primeiros navios no norte da ilha!!