sábado, 3 de março de 2012

ABALOS SÍSMICOS _ TERREMOTOS NO BRASIL

1-ABALOS SÍSMICOS


Um terremoto é um tremor de terra que pode durar segundos ou minutos. Ele é provocado por movimentos na crosta terrestre, composta por enormes placas de rocha (as placas tectônicas). O tremor de terra ocasionado por esses movimentos é também chamado de "abalo sísmico". Outros motivos relacionados ao abalo sísmico são os deslocamentos de gases (principalmente metano) e atividades vulcânicas.
Existem dois tipos de sismos: Os de origem natural e os induzidos. A maioria dos sismos são de origem natural da Terra, chamados de sismos tectônicos. A força das placas tectônicas desliza sobre a astenosfera podendo afastar-se, colidir ou deslizar-se uma pela outra. Com essas forças as rochas vão se alterando até seu ponto de elasticidade, após isso as rochas começam a se romper e libera uma energia acumulada durante o processo de elasticidade. A energia é liberada através de ondas sísmicas pela superfície e interior da Terra.
O alcance e o impacto dos terremotos depende da energia que liberam; seu ponto de origem está geralmente localizado em uma profundidade não superior a 30 km, sendo denominado foco ou hipocentro. O epicentro é o ponto da superfície terrestre localizado verticalmente acima do foco; as ondas de choque deslocam-se para o exterior do epicentro com velocidades distintas em diferentes camadas da crosta terrestre.
Existem também sismos induzidos, que são compatíveis à ação antrópica. Originam-se de explosões, extração de minérios, de água ou fósseis, ou até mesmo por queda de edifícios; mas apresentam magnitudes bastante inferiores dos terremotos tectônicos.
Quando duas placas se chocam ou se raspam, elas geram um acúmulo de pressão que provoca um movimento brusco. Há três tipos de movimentos: convergente (quando duas se chocam), divergente (quando se movimentam em direções contrárias) e transformante (separa placas que estão se deslocando lateralmente).
1- TRANSFORMANTE
2-CONVERGENTE-OCEÂNICA E CONTINENTAL
3- DIVERGENTE
4- CONVERGENTE- CONTINENTAL E CONTINENTAL
As consequências de um terremoto são:
• Vibração do solo,
• Abertura de falhas,
• Deslizamento de terra,
• Tsunamis,
• Mudanças na rotação da Terra.
Além de efeitos prejudiciais ao homem como ferimentos, morte, prejuízos financeiros e sociais, desabamento de construções etc. As regiões mais sujeitas a terremotos são regiões próximas às placas tectônicas como o oeste da América do Sul onde está localizada a placa de Nazca e a placa Sul-Americana; e nas regiões em que se forma novas placas como no oceano Pacífico onde se localiza o Cinturão de Fogo.
FALHA DE SAN ANDREAS
O comprimento de uma falha causada por um terremoto pode variar de centímetros a milhões de quilômetros como, por exemplo, a falha de San Andreas na Califórnia, Estados Unidos. Só nos Estados Unidos acontecem cerca de 13 mil terremotos por ano que variam de aproximadamente 18 grandes terremotos e um terremoto gigante sendo que os demais são leves ou até mesmo despercebidos.
São vários os tipos de ondas que resultam de um terremoto. O primeiro é o das ondas superficiais, muito fortes perto do epicentro e responsáveis pelos maiores danos de um terremoto. Como sua intensidade se reduz muito rapidamente, torna-se impossível detectá-las, em regra, a uns 320 quilômetros do epicentro, embora as ondas longas, muito mais fracas, possam percorrer grandes distâncias. Mas, a uma certa distância do epicentro, as ondas observadas geralmente percorrem o próprio interior da Terra, recebendo a denominação de ondas primárias e ondas secundárias. Por se deslocarem com maior velocidade, as ondas primárias chegam antes ao observatório. Além disso, as ondas secundárias praticamente não conseguem atravessar as massas líquidas.
A escala mais usada para medir a grandeza dos terremotos é a do sismólogo Charles Francis Richter. Sua escala varia de 0 a 9 graus e calcula a energia liberada pelos tremores. Outra escala muito usada é a Mercalli-Sieberg, que mede os terremotos pela extensão dos danos. Essa escala se divide em 12 categorias de acordo com sua intensidade.

Escala RichterA primeira Escala Richter apontou o grau zero para o menor terremoto passível de medição pelos instrumentos existentes à época. Atualmente, a sofisticação dos equipamentos tornou possível a detecção de tremores ainda menores do que os associados ao grau zero, e tem ocorrido a medição de terremotos de graus negativos.

Teoricamente, a Escala Richter não possui limite. De acordo com o Centro de Pesquisas Geológicas dos Estados Unidos, aconteceram três terremotos com magnitude maior do que nove na Escala Richter desde que a medição começou a ser feita. De acordo com outras fontes, como a Enciclopédia Britânica, tal marca nunca foi alcançada.

2-TERREMOTOS NO BRASIL
Por muito tempo, acreditou-se que o
Brasil estivesse a salvo dos terremotos por não estar sobre as bordas das placas tectônicas - o movimento dessas placas estão entre as principais causas dos terremotos.


No entanto, sabe-se que os tremores podem ocorrer inclusive nas regiões denominadas "intraplacas", como é o caso brasileiro, situado no interior da Placa Sul-Americana. Nessas regiões, os tremores são mais suaves, menos intensos e dificilmente atingem 4,5 graus de magnitude.

Os tremores que ocorrem em nosso país decorrem da existência de falhas (pequenas rachaduras) causadas pelo desgaste da placa tectônica ou são reflexos de terremotos com epicentro em outros países da América Latina.

Ou seja, no Brasil os abalos sísmicos têm características diferentes dos terremotos que ocorrem, por exemplo, no Japão e nos Estados Unidos.

Nesses locais, existe o encontro de duas ou mais placas tectônicas - e as falhas existentes entre elas são, normalmente, os locais onde acontecem os terremotos mais intensos.

Embora a sismicidade ou atividade sísmica brasileira seja menos freqüente e bem menos intensa, não deixa de ser significativa e nem deve ser desprezada, pois em nosso país já ocorreram vários tremores com magnitude acima de 5,0 na Escala Richter, indicando que o risco sísmico não pode ser simplesmente ignorado.

Regiões brasileiras e abalos sísmicos
No Brasil, os tremores de terra só começaram a ser detectados com precisão a partir de 1968, quando houve a instalação de uma rede mundial de sismologia. Brasília foi escolhida para sediar o arranjo sismográfico da América do Sul. Há, atualmente, 40 estações sismográficas em todo o país, sendo que o aparelho mais potente é o mantido pela Universidade de Brasília.

Há relatos de abalos sísmicos no Brasil desde o início do século 20. Segundo informações do "Mapa tectônico do Brasil", criado pela Universidade Federal de Minas Gerais, em nosso país existem 48 falhas, nas quais se concentram as ocorrências de terremotos.

Falhas geológicas

"Toda placa é recortada por vários pequenos blocos, de várias dimensões. Esses recortes, ou falhas, funcionam como uma ferida que não cicatriza: apesar de serem antigos, podem se abrir a qualquer momento para liberar energia. Se você tem um bloco recortado e o comprime de um lado e de outro, ele rompe onde já existe a fratura”, completa.
O maior número de falhas se concentra nas Regiões Sudeste e Nordeste, seguidas pela Região Norte e Centro-Oeste. A Região Sul é a que apresenta o menor número de falhas.
Para realizar os estudos foram utilizados diversos mapas topográficos e geológicos, além de uma grande quantidade de imagens de satélite e de radar. Saadi e sua equipe também foram pessoalmente a diversas localidades de Belém, Natal, Fortaleza e São Paulo e durante um mês investigaram as margens do Rio Amazonas, identificando as falhas na região. Para localizar as falhas, Saadi analisou primeiro as cartas topográficas à procura de indicadores. "Os rios são um exemplo, pois correm geralmente ao longo das fissuras", explica o pesquisador.
O Nordeste é a região que mais sofre com abalos sísmicos. O segundo ponto de maior índice de abalos sísmicos no Brasil é o Acre. No entanto, mesmo quem mora em outras regiões não deve se sentir imune a esse fenômeno natural.

Embora grande parte dos sismos brasileiros seja de pequena magnitude (4,5 graus na Escala Richter), a história tem mostrado que, mesmo em "regiões tranquilas" podem acontecer grandes terremotos. Apesar de não ser alarmante, o nível de sismicidade brasileira precisa ser considerado em determinados projetos de engenharia, como centrais nucleares, grandes barragens e outras construções de grande porte, principalmente nas construções situadas nas áreas de maior risco.

Alguns tremores de terra registrados no Brasil

O maior terremoto que o país já teve ocorreu há mais de 50 anos, na Serra do Tombador, no Mato Grosso: atingiu 6,6 graus na Escala Richter. Mas há outros registros:




  • Mogi-Guaçu, São Paulo, 1922: 5,1 graus
  • Tubarão, Santa Catarina, 1939: 5,5 graus
  • Litoral de Vitória, Espírito Santo, 1955: 6,3 graus
  • Manaus, Amazonas, 1963: 5,1 graus
  • Noroeste do Mato Grosso do Sul, 1964: 5,4 graus
  • Pacajus, Ceará, 1980: 5,2 graus
  • Codajás, Amazonas, 1983: 5,5 graus
  • João Câmara, Rio Grande do Norte, 1986: 5,1 graus
  • João Câmara, Rio Grande do Norte, 1989: 5,0 graus
  • Plataforma, Rio Grande do Sul, 1990: 5,0 graus
  • Porto Gaúcho, Mato Grosso, 1998: 5,2 graus
  • Estado de Pernambuco: entre 2001 e 2005 foram registrados 1,5 mil tremores de terra de baixo impacto
  • Divisa entre Acre e Amazonas, 2007, 6,1 graus
  • Itacarambi, Minas Gerais, 09/12/2007: 4,9 graus (é o primeiro tremor da história do Brasil que provocou 1 morte, 5 feridos e varias casas destruídas).
  • FONTE: UOL EDUCAÇÃO, APOLO11.COM,GEOCONCEIÇÃO,IMAGENS GOOGLE.





    3 comentários:

    Carolainy disse...

    super 10 fico show!!!!!!

    SÃO BENTO Noticias disse...

    A população de Jaraguá do sul acordou assustada na madrugada desta segunda feira, por volta das 04:30 da madrugada um estrondo foi ouvido por muitas pessoas que causou tremor nas casas ,o estrondo foi tão forte que também foi sentido nas cidades vizinha de Corupá ,Guaramirim e Shoreder .comandante do corpo de bombeiro afirma que também ouviu o estrondo na madrugada mas que não ouve nenhuma ocorrência causada por este estrondo.

    A defesa civil e a policia militar de Jaraguá do sul também sentiram o tremor seguido de barulho mas que desconhece qualquer fato que tenha acontecido e provocado este barulho.

    O que aconteceu em Jaraguá do sul continua um mistério e deixa a população apreensiva, com medo que isto aconteça de novo , moradores afirmam que foi muito assustador ,que ouviram um barulho como se fosse uma explosão em seguida um tremor que tremeu toda a casa.

    vc sabe me informar se foi um movimento de placas , outro tipo de ocorencia não foi registrada nesta cidade como esplosão
    a duvida fica no ar do que ouve
    sabe me informar se ouve algum abalo nesta região de jaragua do sul e cidades visinhas pelos relatos foi ouvido em 6 cidades o mesmo barulho seguido de um tremor jaragua do sul fica em santa catarina

    Celo disse...

    Aqui no Maranhão tivemos um abalo sísmico no dia 03/01/2017 por volta das 9:45min dá manhã, eu penso que possa ter sido provocado por uma explosão de gás natural que existe na região onde ocorreu o maior impacto, no interior do Maranhão na cidade de vargem grande, mas acredito que tenha iniciado em capinzal do norte onde foi recentemente descoberta grande quanditade de gás natural, devido a movimentação da borda dá placa podem ter feito uma rachadura no subsolo onde existe o gás natural e essas rochas se frecsionaram e causou uma explosão por isso a magnitude do abalo sísmico chegou a 4.7 na escala de Richter, a minha preocupação agora é em relação a faixa de terra debaixo do mar, ela pode ter se movimentado bruscamente, além disso houveram mais 6 repetições de menor magnitude mas que para a faixa de terra do mar pode ter grandes proporções, nessa hipótese a costa da África poderá sofrer com grandes ondas dentro de algum tempo, seria bom investigar o mais rápido possível, aqui na capital São Luís, prédios tremeram, nossa capital é uma Ilha portando a terra do mar sofreu o abalo também, como o tremor foi de dentro para fora acredito que irá acontecer em pouco tempo a formação de ondas grandes para o litoral dá África, ainda corremos o risco do vulcão vieija de ser ativado, confere?