domingo, 17 de junho de 2012

PROVAS E GABARITOS/REGIONALIZAÇÃO DO BRASIL

VESTIBULAR 2013

(UERJ)

População absoluta das regiões brasileiras em 1940 e 2010 (em milhões de habitantes)

Região
1940
2010
Norte
1,6
15,9
Nordeste
14,4
53,1
Sudeste
18,3
80,4
Sul
5,7
27,4
Centro-Oeste
1,1
14,1

Adaptado de .

O crescimento populacional brasileiro foi significativo a partir da segunda metade do século passado. Entretanto, a análise da tabela indica que esse avanço não foi semelhante entre as regiões do país.
Nomeie as duas regiões brasileiras com maior crescimento relativo da população no período considerado. Em seguida, indique dois motivos que contribuíram para esse acentuado aumento populacional.

Respostas:

Regiões: Centro-Oeste e Norte
Motivos:
• construção de Brasília
• criação de projetos de exploração mineral
• avanço da fronteira agrícola nessas regiões
• permanência de taxas de natalidade elevadas
• movimentos migratórios oriundos de outras regiões do país

As duas regiões brasileiras com maior crescimento relativo da população no período apresentado foram Centro-Oeste e Norte. Os motivos que concorreram para tal fato resultam da historicidade que relegou até meados do século XX a posição de periferização econômica para o interior do país. A partir da década de 1940/1950 iniciam-se processos que resultam no povoamento das regiões e consequente aumento populacional, como: a construção da estrada de ferro Noroeste do Brasil, a construção de Brasília, o PIN – Plano de Integração Nacional desenvolvido pelo governo JK que implanta a malha rodoviária. A partir da década de 1970, com os governos militares, desenvolvem-se os projetos minerais e os de colonização, resultando no avanço da frente agrícola, o que por sua vez, cria uma intensa corrente migratória do centro-sul em direção a essas áreas. A partir da década de 2010, os investimentos estatais em infraestrutura de transportes e energia cria nova corrente migratória, ampliando a taxa de crescimento populacional.  
(UCS) Analise o mapa abaixo.


(ARBEX JR., J.; OLIC, N. B. O Brasil em regiões: norte. São Paulo: Moderna, 2000. p. 9.)

Na década de 1960, foi criada a Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM), que redefiniu a Amazônia Brasileira. Além dessa redefinição territorial, ocorreu a renomeação da região (área hachurada no mapa acima), que passou a se chamar

a) Amazônia Internacional.
b) Região Norte.
c) Pacto Amazônico.
d) Amazônia Legal.
e) Floresta Amazônica.


(UNICAMP) A tabela abaixo traz informações sobre a percentagem de pessoas que residem fora de seu Estado de origem, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios 2001/2007 do IBGE.

Pessoas residentes não naturais da Unidade da Federação de residência (em %)

Regiões
2001
2003
2005
2007
Centro-Oeste
37,4
36,3
36,5
35,2
Norte
22,8
23,1
23,1
22,5
Nordeste
7,5
7,8
7,9
7,5
Sul
12,1
12,2
12,2
12,2
Sudeste
18,9
18,7
18,6
17,8

Com base nas informações da tabela sobre a dinâmica migratória da população brasileira, é possível afirmar que:
a) Os Estados da região Nordeste do Brasil apresentaram, no período, a menor percentagem de população nascida em outras Unidades da Federação. Isso ocorre porque os Estados dessa região sempre apresentaram uma elevada taxa de imigração de sua população para outras unidades da federação.   
bOs Estados da região Centro-Oeste apresentaram, no período, a maior percentagem de pessoas residentes oriundas de outras Unidades da Federação. Isso ocorre porque esses Estados receberam, nas últimas décadas, elevados fluxos migratórios de população brasileira para a ocupação da fronteira agrícola.   
c) Nos Estados da região Sudeste houve um decréscimo da percentagem de pessoas residentes nascidas em outras Unidades da Federação. Isso ocorre porque todos os Estados dessa região sempre tiveram importantes fluxos emigratórios de população direcionados para a ocupação de outras regiões do país.   
d) Os Estados da região Sul têm o segundo menor índice de pessoas residentes não naturais dessas Unidades da Federação. Isso ocorre porque esses Estados, historicamente, apresentam baixos fluxos emigratórios de sua população com destino a outras unidades da federação.   


(UFGD) Analise o gráfico a seguir.

Taxa de analfabetismo de pessoas de 15 anos ou mais de idade, segundo as Grandes Regiões - 2011

(Fonte: IBGE, PNAD 2011)

De acordo com as informações apresentadas, é correto afirmar que
a) as disparidades regionais do Brasil foram completamente superadas no que se refere aos indicadores educacionais, pois as taxas de analfabetismo ficaram abaixo de 10% em todas as regiões brasileiras.
b) as menores taxas de analfabetismo concentram-se em regiões onde existem os maiores níveis de desenvolvimento econômico e social, demonstrando que ainda há diferenças significativas entre o Sudeste-Sul e Norte-Nordeste no Brasil.
c) as maiores taxas de analfabetismo concentram-se nas regiões Centro-Oeste e Norte devido ao fato de serem áreas com reduzida presença da infraestrutura necessária para o crescimento econômico.
d) a maior taxa de analfabetismo encontra-se na região Nordeste pelo fato de essa região também possuir a maior concentração populacional do Brasil.
e) a taxa de analfabetismo na região Norte é a menor das regiões brasileiras devido à presença reduzida de população nessa área.


(IFPE) Os dados dos censos demográficos do IBGE indicam que o Brasil vem passando por grandes transformações na sua estrutura etária, sendo que esse fenômeno ocorre em ritmo diferente por macrorrregião. Com base nisso, relacione os dados da tabela abaixo com as afirmações citadas a seguir.

Fonte: IBGE, Censos Demográficos 1991/2000/2010.

I. Uma das tendências verificadas é o estreitamento da base da pirâmide etária e a consequente diminuição da participação dos menores de 15 anos de idade, sendo que esse fenômeno é mais evidente nas regiões de maior população residente.
II. A região Nordeste é a que apresenta o maior percentual de população com até 14 anos e o menor com 65 anos ou mais de idade, enquanto o Sudeste é a região que apresenta maior processo de envelhecimento.
III. Os dados da tabela indicam a tendência ao estreitamento da base e o alargamento do topo da pirâmide etária brasileira. Isso indica, de um lado, a queda da fecundidade; de outro, a necessidade de maiores investimentos sociais em áreas como saúde e previdência social.
IV. A mudança do padrão demográfico é uma das mais importantes transformações estruturais da sociedade brasileira e está diretamente relacionada com processos espaciais, como a industrialização e a urbanização. O Sudeste e o Sul oferecem o melhor exemplo dessa situação.
V. As regiões que ainda apresentam processo de ocupação pioneira do território por meio da expansão da fronteira agrícola são justamente as que mais apresentam tendência de envelhecimento da população e de completar a transição demográfica.
Estão corretas apenas as afirmações:

a) I, II e IV
b) II, IV e V
c) I, II, IV e V
d) I, III e IV
e) III e V

(UEAP) As figuras abaixo representam diferentes formas de regionalizar o espaço geográfico brasileiro.

As figuras I, II e III correspondem, respectivamente,
a) à divisão oficial segundo o IBGE, à divisão oficial de planejamento e aos domínios morfoclimáticos.
b) à divisão oficial de planejamento, à divisão oficial segundo o IBGE e à regionalização
geoeconômica.
c) aos domínios morfoclimáticos, à divisão estadual e à divisão oficial segundo o IBGE.
d) à regionalização geoeconômica, à divisão oficial segundo o IBGE e aos domínios morfoclimáticos.
e) à divisão oficial segundo o IBGE, à divisão estadual e à regionalização geoeconômica.

VESTIBULAR 2012
(UNIFENAS) O mapa a seguir apresenta a proposta de regionalização do Brasil baseada em três grandes complexos regionais ou regiões geoeconômicas.

A regionalização proposta no mapa
I) adota exclusivamente o critério político-administrativo, e suas fronteiras coincidem com as fronteiras dos estados.
II) utiliza critérios abrangentes como o processo de formação histórico e econômico do Brasil, associado à modernização brasileira, através de suas atividades produtivas;
III) desconsidera os limites entre os estados como estratégia de valorização da organização político-administrativa proposta pelo IBGE, em 1969, para a criação da chamada região concentrada.
IV) engloba uma porção do norte de Minas Gerais no complexo nordestino, tendo em vista suas características semiáridas e o seu baixo dinamismo econômico regional.
V) inclui o estado do Maranhão, em sua totalidade, no Complexo Amazônico.
Estão corretas apenas
a) I e II.
b) II e IV.
c) III, IV e V.
d) IV e V.
e) I, II, III e IV.

(FUVEST) Observe os mapas do Brasil.




Considere as afirmativas relacionadas aos mapas.
I. Alta concentração fundiária e pouca diversificação da atividade econômica são características de um bolsão de pobreza existente no extremo sul do Brasil.
II. A despeito de seus excelentes indicadores econômicos bem como de seu elevado grau de industrialização, a Região Sudeste abriga bolsões de pobreza.
III. A biodiversidade da floresta assegura alta renda per capita aos habitantes da Amazônia, enquanto moradores da caatinga nordestina padecem em bolsões de pobreza.
IV. Embora Brasília detenha alguns dos melhores indicadores socioeconômicos do país, o próprio Distrito Federal e arredores abrigam um bolsão de pobreza.

Está correto o que se afirma em
a) I, II e III, apenas.
b) I, II e IV, apenas.
c) II e III, apenas.
d) III e IV, apenas.
e) I, II, III e IV.

(UNICAMP) A Amazônia é uma das mais antigas periferias do sistema mundial capitalista. Seu povoamento e desenvolvimento se deram de acordo com o paradigma da economia de fronteira, significando, com isso, que o crescimento econômico é visto como linear e infinito, sendo imperativo sustar esse padrão baseado no uso predatório das suas riquezas naturais e do saber de suas populações tradicionais.

(BECKER, Bertha K. “Geopolítica da Amazônia”. Estudos Avançados,19, n. 53, 2005. p 72. Adaptado.)
a) O que se pode entender por economia de fronteira?

b) Aponte dois exemplos de populações tradicionais na Amazônia.
Resolução:

a) Economia de fronteira é aquela que apresenta um crescimento econômico visto como linear e infinito, baseado na contínua incorporação de terra. É caracterizada pelo uso e exploração predatória de recursos naturais, culturais e de saberes das populações tradicionais.

b) São populações tradicionais da Amazônia os povos indígenas, os extrativistas (seringueiros, castanheiros), os ribeirinhos, os camponeses e os quilombolas.

(UFF)

http://www.brasilescola.com/brasil/complexo-regional-centrosul.htm&docid=o
Visando a uma melhor compreensão da organização do espaço brasileiro, vem ganhando destaque em publicações acadêmicas e didáticas uma proposta de regionalização baseada na existência de três complexos regionais ou regiões geoeconômicas: Centro-Sul, Nordeste e Amazônia. Segundo o geógrafo Roberto Lobato Corrêa, o Centro-Sul seria o coração econômico e político do país, o Nordeste a “região das perdas” (econômica e demográfica) e a Amazônia, ainda em nossos dias, uma vasta fronteira de ocupação.
a) Aponte e comente dois fatores que justifiquem a primazia do Centro-Sul frente às demais regiões, no conjunto da vida nacional.
b) Considerando que o desenvolvimento nunca é espacialmente uniforme, áreas dinâmicas ou estagnadas podem ser encontradas no interior de cada um dos três complexos regionais. Com base nessa evidência, identifique uma área produtiva moderna, localizada na Amazônia, que apresente forte dinamismo econômico, justificando sua identificação.
Resolução:
a) Centro-Sul concentra em sua extensão territorial, em comparação com as demais regiões:

• A área mais urbanizada do Brasil, situada principalmente em torno das duas grandes metrópoles nacionais (São Paulo e Rio de Janeiro, com suas respectivas áreas metropolitanas), da capital do país (Brasília) e de metrópoles regionais como Belo Horizonte, Porto Alegre, Curitiba e Goiânia. Cabe registrar, ainda, a existência de diversas capitais regionais e de um grande número de cidades médias e áreas de expressiva urbanização no sul de Minas Gerais, norte do Paraná e do Rio Grande do Sul, nordeste de Santa Catarina, sul de Goiás e em todo o estado de São Paulo.

• A maior e mais diversificada concentração industrial, especialmente em São Paulo (Região Metropolitana e prolongamentos que se estendem para o oeste do estado, Sorocaba, Baixada Santista e Vale do Paraíba, chegando até à metrópole carioca); a área que tem como centro a metrópole de Belo Horizonte (denominada “Zona Metalúrgica”); o Vale do Itajaí (Santa Catarina); e a área que se estende de Porto Alegre a Caxias do Sul (Rio Grande do Sul).

• A principal área agropecuária do país, caracterizada pela grande diversidade produtiva, nível de modernização e importância em valor e volume da produção.

• A mais densa e integrada rede de circulação, ao concentrar os principais portos do país (Santos, Rio de Janeiro, Vitória, Paranaguá e Rio Grande), a rede rodoferroviária mais expressiva, os aeroportos mais importantes e o uso mais intenso de sistemas de telecomunicações.

• A maior concentração de infraestrutura e capital fixo, ao reunir a malha mais densa de vias de comunicação e a maior quantidade de cidades importantes, hidrelétricas, grandes obras públicas e outras formas espaciais que conferem elevado valor ao território.

• Os principais centros de gestão econômica do país (São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília), onde estão situadas as sedes das grandes corporações (sediadas em cidades menores quando pertencentes ao ramo da agroindústria), empresas estatais e o próprio aparelho de Estado.

• A maior concentração de renda, que reflete a magnitude dos negócios associados aos itens acima e implica, por sua vez, desenvolvimento maior do consumo e das atividades terciárias.
b) Podem ser apontadas as seguintes áreas:

• Complexo minero-metalúrgico do Maranhão, associado ao Programa Grande Carajás.

• Áreas modernas de cultivo de grãos em área de cerrado e cerradão na Amazônia Legal.

• Zona Franca de Manaus
VESTIBULAR 2011
(UERJ) Em 2008, pela primeira vez desde 1880, os países ricos passaram a representar menos de 50% da produção mundial.
Descrição: 101272_OK.wmf
Apresente dois fatores que explicam o elevado desempenho econômico dos BRIC, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia e China, nos últimos dez anos.
Apresente também duas consequências, uma geopolítica e outra ambiental, dessa nova realidade econômica mundial.
Os BRIC’s são países com grande extensão territorial e população. Apresentam, por essa razão disponibilidade de recursos naturais e expressivo mercado consumidor. São classificados como países emergentes e, cada um a seu modo, atrairam nas duas últimas décadas, grandes investimentos em função da mão de obra mais barata, dos menores custos de produção e do grande potencial de consumo.
Esses países passaram a ter maior presença e atuação ativa nas negociações internacionais, tanto do ponto de vista econômico como geopolítico, e maior influência regional. No caso da China, a influência é internacional. O desenvolvimento desses países fortaleceu as relações entre os países subdesenvolvidos e consolidou a configuração de um mundo multipoar, após o término da Guerra Fria.
O crescimento econômico e o maior potencial de consumo conquistado pelos BRIC’s, acentuaram a poluição, as emissões de gases de efeito estufa, a ocupação de matas nativas e a degradação do solo pela expansão da agropecuária.
VESTIBULARES ANTERIORES
(UFSCAR) As figuras apresentam duas diferentes regionalizações do espaço brasileiro.
a) Indique o título correto para a figura 1 e o título correto para a figura 2.
b) Indique os critérios básicos para a criação das respectivas regionalizações.
Resposta
a)
1. Macroregiões.
2. Grandes complexos regionais ou regiões geoeconômicas.
b)
O mapa 1 adota exclusivamente o critério político-administrativo, e suas fronteiras coincidem com as fronteiras dos estados. Estes estados estão agrupados pelas suas similaridades físicas, humanas e econômicas.
O mapa 2 utiliza critérios mais abrangentes e considera principalmente os aspectos sócio-econômicos. A divisão em complexos regionais não respeita o limite entre os estados. O Norte de Minas Gerais encontra-se no Nordeste, enquanto o restante do território mineiro encontra-se no Centro-Sul. O leste do Maranhão encontra-se no Nordeste, enquanto o oeste encontra-se na Amazônia. O sul de Tocantins e do Mato Grosso encontra-se no Centro-Sul, mas a maior parte desses estados pertencem ao complexo da Amazônia.

(FUVEST)
A partir dos mapas,
a) comente os critérios utilizados para o estabelecimento de cada uma das três regionalizações do Brasil.
b) compare as regiões Sudeste, Centro-Sul e a Região Concentrada quanto à industrialização.
Resposta
a)
As Regiões Administrativas ou Macroregiões correspondem à divisão oficial do IBGE. Ela considera os limites administrativos dos estados em sua divisão e as relativas semelhanças entre os aspectos naturais e sócio-econômicos.
As Regiões Geoeconômicas ou Grandes Complexos Regionais, não acompanha os limites entre os estados, havendo estados que possuem parte do seu território em uma região e parte em outra. Essa divisão considera a formação histórico-econômica do Brasil e a recente modernização econômica que se manifestou nos espaços urbano e rural, estabelecendo novas formas de relações no território brasileiro.
O mapa Regiões Brasileiras releva o contexto da Terceira Revolução Industrial ou Técnico-Cientifica. Considera entre outros aspectos: a quantidade de recursos tecnológicos avançados, o volume de atividades econômicas modernas nas áreas financeira, comercial, industrial e de serviços. A região que detém a maior parte destes recursos instalados, é conhecida como região concentrada e corresponde às regiões sul e sudeste da divisão do IBGE.
b) Correspondem às regiões mais industrializadas do país, em todas as divisões regionais apresentadas.

(UFG) Observe a figura a seguir:
O critério adotado, na divisão regional descrita no mapa, tem por referência
a) a base física territorial, onde se destacam as bacias hidrográficas.
b) os aspectos demográficos, considerando-se a distribuição da população brasileira.
c) o setor secundário, mediante o número de estabelecimentos industriais.
d) as características socioeconômicas, relativas à população e às atividades produtivas.
e) os elementos de ordem natural, relacionados aos tipos climáticos.

(UFPEl) O sistema de organização político-administrativa do Brasil, desde o descobrimento até a atualidade, apresentou variações, evidenciadas, por exemplo, nas capitanias hereditárias, no governo geral, na monarquia, no império e na república. Um dos problemas verificados na divisão do território tem sido a multiplicação de estados, motivada pela necessidade de acomodar interesses políticos das oligarquias que continuam desequilibrando o sistema representativo, favorecendo os estados do Norte e do Nordeste, tradicionais redutos políticos de elites agrárias.
Com base nas informações anteriores e em seus conhecimentos sobre o assunto, é correto afirmar que
a) os limites da região geoeconômica Amazônia praticamente coincidem com os da Região Norte do IBGE. Trata-se de uma região de grande população absoluta - apesar da baixa densidade demográfica – que apresenta um crescimento na industrialização, sobretudo no setor de mineração.
b) a região geoeconômica Nordeste é caracterizada por uma homogeneidade natural marcada pela seca. É uma região que concentra um grande contingente populacional e que se constitui em uma “região-problema”, em face das graves dificuldades sociais e econômicas que apresenta.
c) a região geoeconômica Centro-Sul abrange as duas porções mais industrializadas do país (Sudeste e Sul) e as áreas de economia mais dinâmica da região Centro-Oeste (de acordo com o IBGE): sul de Tocantins, norte de Goiás e parte de Minas Gerais.
d) parte do norte do estado de Minas Gerais – porção semi-árida, de economia pouco dinâmica – integra o complexo regional do Nordeste. O restante desse estado integra o complexo regional Centro-Sul, que também é composto por parte de Tocantins (Região Norte) e parte de Mato Grosso, (Região Centro-Oeste).
e) a área afetada por secas periódicas, no Meio Norte da região geoeconômica Nordeste, constitui o “Polígono das Secas”. Nessa área, funciona a chamada indústria da seca, como ficou conhecida a prática de políticos e fazendeiros para obter lucros e vantagens pessoais com esse flagelo.

(FACASPER) No final da década de 1990, foi proposta uma nova regionalização para o país, conforme se pode observar abaixo.
(Santos, Milton & Silveira, Maria Laura. O Brasil: Território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record, 2001. p.308)
Essa divisão regional foi realizada a partir de critérios
a) morfoestruturais e climáticos, sendo que 1 corresponde à região de grandes rios e terras baixas florestadas que ainda permanecem com grandes espaços praticamente intocados.
b) de planejamento estratégico, sendo que 2 corresponde à região com maior número de estudos e políticas de intervenção, a exemplo do recente projeto de transposição das águas do rio São Francisco.
c) de concentração de meios técnico-científicos e de difusão de informações, sendo que 3 corresponde à região que concentra maior número de atividades associadas ao processo de globalização.
d) relacionados à biodiversidade, sendo que 1 e 4 são regiões que se destacam pela grande variedade de animais e formações vegetais, a exemplo da floresta Amazônica, do Cerrado e do Pantanal.
e) político-administrativos, sendo que 2 e 3 são regiões que englobam mais da metade dos eleitores do país e, portanto, usufruem de maior representatividade popular no Congresso Nacional.
Fonte:Geografiaparatodos

3 comentários:

Anônimo disse...

Adorei!!

Anônimo disse...

amei!
um otimo jeito de estudar...

Anônimo disse...

que lixo não ajudou em nada